Central de Atendimento

Como podemos ajudar?
Precisa de ajuda?

Como se pode melhorar a qualidade de vida dos idosos?

Como melhorar a qualidade de vida dos idosos?

Até 2050, mais de 30% das populações em toda a Europa terão mais de 60 anos de idade. O que seria de esperar era muitos anos felizes de merecido descanso e relaxamento na fase final da vida.

No entanto, a realidade é que para muitas pessoas, quando chegam a esta fase da vida, a sua qualidade de vida pode não ser a que tinham anteriormente.

De um modo geral as pessoas na faixa etária dos 50 e 60 anos enfrentam hoje circunstâncias piores do que a geração anterior.

1 em cada 5 pessoas nesta faixa etária é suscetível de enfrentar múltiplos problemas a longo prazo em termos de saúde física e mental, estilo de vida e circunstâncias materiais.

Outro fator importante é a própria perceção que as pessoas idosas têm do seu futuro. Um inquérito feito as pessoas com mais de 65 anos revelou que apenas 19% dos adultos inquiridos com mais de 75 anos de idade acreditavam que a sua vida iria melhorar ao longo do próximo ano.

Entre os adultos idosos inquiridos, os principais fatores atribuídos à qualidade de vida foram a capacidade de comunicar, a capacidade de se vestir e a ausência de dores fortes.

A qualidade de vida é assim um fator muito importante para a saúde e o bem-estar na fase tardia da vida. Não é suficiente estar apenas vivo. A boa qualidade de vida é especialmente importante para as pessoas mais velhas que estão a lidar com problemas de saúde crónicos e grandes mudanças nas suas vidas.

Sentir-se satisfeito e realizado na vida é tão importante para o bem-estar geral como fazer check-ups regulares com o médico.

De facto, ter uma visão positiva da vida pode ajudar os idosos a ter mais energia, menos stress, melhor apetite e a prevenir o declínio cognitivo.

Formas de melhorar a qualidade de vida dos idosos

Para garantir uma melhor qualidade de vida para os idosos, é necessário ter em conta diferentes fatores, adotando uma perspetiva holística que possa ter em conta as diferentes facetas da vida dos idosos.

Eis algumas estratégias para melhorar a qualidade de vida:

Tratar a depressão

A depressão no final da vida afeta cerca de 7 milhões de pessoas com mais de 65 anos.

Pode ser causada por eventos de vida stressantes como a reforma ou a perda de um cônjuge. Pode também ser causada por uma doença ou por efeitos secundários de medicamentos.

Para melhorar a qualidade de vida, é importante reconhecer os sinais de depressão e obter ajuda de um médico, psicólogo, terapeuta ou outro profissional de saúde.

Sentirem-se úteis e necessários

De uma forma geral, todas as pessoas gostam de se sentir úteis, independentemente da idade.

Ao cuidar de um idoso, é importante criar condições para os fazer sentir que os outros ainda precisam da sua ajuda e que eles não são um fardo.

Mesmo que não consigam realizar as tarefas de forma eficiente ou perfeita, o importante é que sintam que estão a contribuir.

Os idosos podem ajudar com algumas tarefas em casa, como por exemplo:

  • Dobrar a roupa suja
  • Organizar as gavetas
  • Abertura do correio
  • Escrever listas de mercearia ou de afazeres domésticos
  • Recortar cupões
  • Mantendo-se atualizados com as notícias e informar os outros
  • Preparação das refeições como por exemplo, cortar os legumes
  • Ajudar a fazer compras ou a fazer recados

Praticar atividade física regular

A atividade física regular, por mais suave que seja, ajuda a manter o corpo e a mente a sentirem-se equilibrados e positivos.

Fisicamente, o exercício físico impulsiona o sistema imunitário, baixa a pressão arterial, melhora a qualidade do sono, melhora a saúde do coração, alivia a ansiedade, melhora a força e a resistência, entre outros benefícios.

Embora se possam sentir mais cansados, e em alguns casos frágeis, à medida que envelhecem, serem ativos é vital para os idosos manterem a saúde física e mental.

É recomendado que os idosos façam 150 minutos de atividade de intensidade moderada por semana, bem como exercícios de reforço duas vezes por semana.

Quer se trate de uma caminhada suave, praticar yoga ou natação, ser ativo ajuda a manter a flexibilidade, agilidade e força, o que, por sua vez, irá prevenir dores, dores e lesões.

Um bom nível de fitness também pode tornar as tarefas diárias menos árduas, desde fazer as compras até às viagens para socializar com os amigos.

Manter a mente estimulada

Palavras cruzadas, sudoku, outros jogos cerebrais, leitura e a escrita são todas atividades benéficas para a estimulação mental. Ter uma mente ágil e ativa melhora o bem-estar geral.

Manter os laços à família, amigos e à comunidade

Os idosos isolados e solitários têm vidas mais curtas e estão em maior risco de demência. Para evitar isto, é fundamental que o idoso permaneça ligado à sua comunidade.

Alguns exemplos são:

  • Organizar visitas ou saídas regulares para a família e amigos
  • Organizar transporte para que os idosos possam ir para lugares aprazíveis como a praia, por exemplo
  • Participar em festas de aniversário, casamentos ou outras
  • Praticarem jogos em grupo
  • Fazer voluntariado numa igreja, comunidade ou organizações de caridade

Melhorar a mobilidade em casa

Dois dos fundamentos essenciais para uma vida confortável são a saúde a mobilidade. E um dos fatores que mais fortemente compromete a qualidade de vida na idade mais avançada é a falta de mobilidade.

A gestão da dor e do bem-estar físico pode ser estimulada quer pelos profissionais de saúde, como pelos membros da família, cuidadores ou amigos. Todos podem ajudar os idosos a sentirem-se mais confortáveis e a reduzirem a dor que possa ser evitável.

Fazer ajustamentos dentro de casa pode assegurar que os idosos não tenham de se esforçar demasiado ao completarem tarefas diárias como lavar, cozinhar ou outras.

Este ajustamento pode incluir modificar mobiliário e objetos para estarem ao alcance mais facilmente, como barras de apoio ou outras ajudas de mobilidade, como scooters ou elevadores de escadas, para facilitar a segurança e a movimentação com mais facilidade em casa.

A criação de um ambiente confortável dentro de casa garante que é um espaço seguro, para que os residentes idosos possam simplesmente relaxar e desfrutar o seu tempo livre.

Transporte acessível

Outra consideração fundamental quando se trata de mobilidade é o transporte.

Nem sempre é fácil para os idosos deslocarem-se, seja com o propósito de ver os familiares, de se envolverem na comunidade local, ou simplesmente para o essencial, tais como compras de alimentos e consultas médicas.

Proporcionar a uma pessoa idosa opções de transporte pode fazer uma enorme diferença na sua qualidade de vida, o que significa que ela não tem de depender de táxis que podem ser caros, ou de uma condução potencialmente desconfortável para chegar aos lugares para onde precisa de ir.

Com os passes de transporte público gratuitos torna-se mais fácil e acessível para o idoso se movimentar.

Apoio com refeições

Quando a mobilidade de uma pessoa idosa é limitada, pode ser difícil para ela manter-se a par das tarefas diárias que mantêm um estilo de vida saudável. Uma destas tarefas é cozinhar.

Com uma idade mais avançada, ficar em pé durante horas junto ao fogão pode tornar-se uma sobrecarga para o corpo, e requer mais energia do que parece valer a pena para o idoso.

Esta situação resulta muitas vezes em o idoso preferir refeições prontas e rápidas que podem nem sempre ser inteiramente nutritivas e saudáveis.

O apoio com refeições pode ser inestimável para garantir que uma pessoa idosa ainda possa desfrutar de refeições cozinhadas em casa e dos benefícios para a saúde de uma dieta equilibrada.

Quer seja através de um serviço de ajuda na preparação dos alimentos, entrega de refeições ou simplesmente partilha de receitas simples, este apoio pode fazer toda a diferença para a qualidade de vida de uma pessoa idosa.

Redes de apoio ao bem-estar

Não é apenas a saúde física que contribui para a qualidade de vida de uma pessoa idosa, a saúde mental também é fundamental.

E muitas vezes a saúde mental deficiente é prevalecente nas pessoas idosas. Menos de uma em cada seis procura ajuda do seu médico de família para questões de saúde mental.

Desta forma, é muito importante a existência de redes de apoio ao bem-estar das pessoas idosas.

Tanto através de organizações como dentro de comunidades ou famílias, para assegurar que tenham acesso a apoio de saúde mental, ou a serem ouvidas, quer optem ou não por ter acesso a aconselhamento médico.

Ligações sociais

Um dos problemas mais comuns que tem um grande impacto na qualidade de vida dos idosos é o isolamento social. Muitas pessoas idosas sentem-se regularmente sós.

No entanto, os idosos têm mais probabilidades de se sentirem sozinhos se não tiverem alguém com quem falar, em comparação com aqueles que têm alguém.

Isto significa que ter simplesmente um bom amigo ou membro da família presente na vida de uma pessoa mais velha pode fazer uma enorme diferença na sua qualidade de vida.

Outras opções incluem ter aulas ou o envolvimento com grupos comunitários, o que pode realmente ajudar a impulsionar os círculos sociais dos idosos e a evitar que se sintam isolados.

É muito importante que os idosos tenham uma rede de amigos próximos na sua área de residência, para que possam interagir com outras pessoas numa base regular.

No entanto, com a prevalência da comunicação online pela internet, os idosos podem também ter mais facilidade para comunicar por vídeo com os membros da família e de se juntarem a grupos com interesses em comum online, a fim de se manterem ligados quando não pretendem de sair de casa.

Estímulos mentais

Uma componente chave da boa saúde mental para as pessoas mais velhas é manter a agilidade mental. O cérebro pode ser estimulado em qualquer fase da vida e é até aconselhável que o seja, mesmo em idade avançada.

Um dos efeitos mais comuns do envelhecimento é a perda de memória, seja de forma mais ligeira ou em condições de saúde mais graves como no caso da demência, que afeta uma em cada 14 pessoas com mais de 65 anos de idade.

A aplicação de estímulos mentais pode ajudar a manter o cérebro a funcionar saudavelmente, prevenindo ou retardando os sintomas do envelhecimento.

Quer seja através de puzzles, problemas matemáticos ou concursos, as atividades mentalmente estimulantes estimulam novas ligações entre células nervosas, desenvolvendo uma maior plasticidade neurológica e prevenindo a futura perda de células cerebrais.

Sentido de propósito

Independentemente da idade, uma das facetas mais centrais da construção de uma boa qualidade de vida é ter um sentido de propósito.

À medida que atingimos as fases finais da vida, isto pode tornar-se mais difícil de definir, uma vez que as áreas de vida que anteriormente davam algum propósito, tais como a carreira profissional ou a família, se tornam responsabilidades menos prementes à medida que a idade vai avançando.

Mas, mesmo para as pessoas que estão reformadas e já não têm uma carreira ou já não têm de cuidar da família, o sentido de propósito continua a ser muito importante.

Embora possa ser apelativo deixar de trabalhar e deixar de estar sob as pressões do trabalho e da vida familiar, fazer algo pelos outros ou pela comunidade, pode ser profundamente gratificante.

Procurar oportunidades para nutrir este sentido de propósito, quer se trate de voluntariado numa instituição de caridade local, mentoria de jovens ou jardinagem, pode aumentar significativamente a qualidade de vida dos idosos.

Não há apenas benefícios emocionais, mas também fisiológicos.

Muitos estudos têm vindo a demonstrar que os idosos com um sentido de propósito na vida têm menos probabilidades de desenvolver a doença de Alzheimer, uma ligeira deficiência cognitiva, outro tipo de deficiências, ataques cardíacos ou acidentes vasculares cerebrais.

Tendo estas pessoas mais probabilidades de viver uma vida mais longa do que as pessoas sem este tipo de motivação subjacente.

Experiências culturais

A importância da cultura na vida não deve ser subestimada, nem sempre ter uma experiência cultural tem de significar ir a uma galeria de arte ou a um museu.

Mas, na realidade, a cultura tem um grande alcance e abrange tanto os meios de comunicação e entretenimento como outras formas de expressão cultural.

À medida que envelhecemos e muitas vezes com menos mobilidade, pode ser mais fácil ficar em casa, ou continuar a apreciar os mesmos produtos culturais de sempre, como ver o mesmo tipo de programas de televisão, ler as mesmas revistas, e assim por diante.

Mas, para alcançar um sentido de inspiração, manter o pensamento criativo e impulsionar um melhor estado de espírito, é importante misturar as experiências culturais na idade mais avançada.

Assim, de vez em quando, ir ver um novo filme, ou visitar um novo lugar pode ser incrivelmente revigorante para uma pessoa idosa.

Tranquilidade financeira

Os idosos têm 2 a 3 vezes mais probabilidades de se sentirem regularmente sozinhos se tiverem problemas de dinheiro que os impeçam de fazer as coisas que querem fazer, comparando com as pessoas que não têm problemas financeiros.

Desta forma uma vida financeira tranquila e sem preocupações é um fator crucial para a qualidade de vida dos idosos.

Com as pensões de reforma a diminuir em valor e o clima económico mais instável, pode ser cada vez mais difícil poupar e as pessoas mais velhas podem ter dificuldades para sobreviver se não tiverem um rendimento sustentável.

Esta situação pode ter implicações graves e com um grande alcance, como um impacto nas oportunidades sociais até à capacidade para ter consultas médicas e outras situações mais difíceis.

Por esta razão é importante que as pessoas idosas façam uma preparação financeira antecipada para esta fase da vida.

Tempo ao ar livre

A vitamina D absorvida através da luz solar aumenta a boa disposição, o ar fresco melhora a saúde, o exercício físico torna as pessoas mais aptas e o encontro com outras pessoas permite manter a mente ágil.

Mas, para os idosos com problemas de mobilidade, o acesso ao ar livre pode não ser facilitado. Desta forma, é vital encontrar soluções, organizando transportes fáceis de usar ou organizando passeios a parques ou à praia.

Um tempo tranquilo passado ao ar livre pode ter benefícios muito abrangentes para a qualidade de vida dos idosos.

Interações com animais

A interação com animais de estimação pode ter um impacto significativo na qualidade de vida dos idosos.

Os donos de animais de estimação tendem a ter corações mais saudáveis, sistemas imunitários mais fortes e a enfrentar menos desafios de saúde mental.

Isto deve-se em parte ao aumento do exercício que é necessário para cuidar de alguns animais como os cães, por exemplo, mas também devido ao estímulo emocional das interações com animais, que ajudam a ter uma postura mais calma e relaxada.

Um estudo publicado no Journal of Nutrition for the Elderly descobriu que toda uma série de fatores na saúde dos idosos, como a alimentação, o exercício, o estado nutricional e os fatores específicos de risco cardiovascular sofreram uma melhoria acentuada, entre os idosos com 60 anos ou mais que cuidavam de animais de estimação.

A interação com os animais proporciona momentos de alegria, companhia e carinho para os idosos.

Conclusão

Os seres humanos, estão sempre a procurar melhorar a qualidade de vida em qualquer fase da sua existência.

Quer seja através de amizades fortes, do envolvimento com a comunidade, procurar fazer mais atividade física ou aprender algo novo.

Há muitas estratégias que podem ser aplicadas e que podem também ter um impacto positivo na vida das pessoas em geral e em especial na vida dos idosos.

E embora por vezes possa parecer difícil fazer mudanças nas rotinas diárias, especialmente à medida que envelhecemos, fazer até uma pequena mudança pode ter um grande impacto.

Embora, à medida que as pessoas envelhecem, se possam começar a sentir deprimidas ou a sentir-se como um fardo para os seus entes queridos.

É possível ajudar os idosos a combater estes sentimentos, e ao mesmo tempo, melhorar a sua qualidade de vida. A qualidade de vida pode ter implicações diferentes para pessoas diferentes e também em diferentes fases da vida.

Embora possa ser difícil descobrir o que melhora a qualidade de vida dos idosos, um dos fatores mais importantes é a comunicação. Ouvir o idoso e tentar perceber como se pode ajudar a tornar a sua vida melhor e com mais significado.

Além das necessidades básicas para uma boa qualidade de vida em geral e para qualquer pessoa, como comer bem e obter a nutrição adequada, não fumar e moderar a ingestão de álcool.

É importante não por em risco a saúde com comportamentos de risco ou negligência, valorizando a saúde que ainda existe e em caso de problemas de saúde, não deixar de seguir as indicações do médico assistente.

A chave para manter uma boa qualidade de vida à medida que envelhecemos é abraçar a vida, mantendo uma visão positiva, manter a atividade quanto possível, e apreciar os momentos passados com a família e os amigos.

Na verdade, os fatores que contribuem para a boa qualidade de vida dos idosos não são muito diferentes dos de qualquer outro grupo etário adulto, a diferença é que poderá haver barreiras mais difíceis de ultrapassar quando a idade é mais avançada.

Assim, quando se equaciona como melhorar a qualidade de vida das pessoas idosas, é importante ter em atenção as barreiras específicas com que as pessoas idosas se deparam mais tarde na vida.

E equilibrando com perspetiva mais humanizada do que estas barreiras podem ser, e como cada idoso prefere lidar com elas, sem esquecer a sua dignidade e segurança.

Juntos Cuidamos Melhor!

Na Mais que Cuidar encontra uma gama completa de produtos e serviços  que dão uma ajuda importante no apoio e no conforto, prestando cuidados de saúde ao domicilio (apoio domiciliário, fisioterapia, enfermagem) e produtos de apoio para comprar ou alugar.

Os nossos profissionais de saúde e mobilidade estão sempre disponíveis para ajudar a encontrar as melhores soluções para a sua situação específica. Temos ao seu dispor uma linha de apoio de enfermagem 24h/dia 365 dias do ano.

Na Mais que Cuidar poderá contar também com o apoio do médico fisiatra através da consulta ao domicílio ou da teleconsulta.

Referências:

  • HelpAge International Network
  • Age UK

*Atenção: O Blog Mais que Cuidar é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre temas relacionados com saúde e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde.

Central de Atendimento

como podemos ajudar?
Apoio via Whattsapp
Entre em contato
através do Whattsapp.
ABRIR WHATTSAPP
Apoio por Telefone
Contacte-nos todos os dias
úteis entre 10h às 19h e aos
Sábados das 10h às 13h
Lojas de Ortopedia e Geriatria em Portugal
Procuramos estar cada vez mais perto de si.
Venha conhecer-nos! Juntos Cuidamos Melhor.
Porto
Porto
Estrada da Circunvalação 14688
4450-097 Matosinhos
T. 224 054 146
Lisboa
Lisboa
Rua Manuel Martins da Hora, 2
1750-172 Lisboa
T. 210 402 220
Oeiras
Oeiras
Rua Luís Tavares 17
2740-315 Porto Salvo
T. 219 362 035
Almada
Almada
Rua do Regil 21A
2805-234
Almada
T. 210 402 248
Faro
Faro
Estrada Municipal 514
Zona Ind. da Barracha, Lote 11
8150-017 São Brás de Alportel
T. 289 824 225