Central de Atendimento

Como podemos ajudar?
Precisa de ajuda?

Quais os impactos psicológicos do envelhecimento?

Juntamente com novos desafios físicos, sociais e emocionais, o envelhecimento traz mudanças na cognição e na emoção que têm impacto no bem-estar, nas relações sociais, na tomada de decisões e no autocontrolo.

A forma como os indivíduos respondem a estes desafios tem implicações para a sua independência, função cognitiva, relações sociais, saúde mental, função física, e bem-estar económico.

Os fatores comportamentais e psicológicos, como a atividade física, consumo de tabaco e outros comportamentos de saúde, envolvimento cognitivo e social, personalidade e stress psicossocial, desempenham um papel crítico na saúde durante toda a vida.

Os fatores sociais, tais como as relações sociais e as circunstâncias socioeconómicas, têm um impacto igualmente importante na saúde e bem-estar. Por exemplo, sabe-se que os sentimentos de solidão são um fator de risco de graves declínios funcionais e mesmo de morte.

Além disso, sabe-se que os fatores comportamentais e sociais interagem com mecanismos genéticos, moleculares e celulares para influenciar a saúde nas idades mais avançadas.

A ciência comportamental indica que fatores psicológicos, sociais e comportamentais a nível individual podem prever um envelhecimento adaptativo e saudável ou conferem um risco de declínio relacionado com a idade.

Embora a maioria dos idosos tenha uma boa saúde mental, muitos idosos estão em risco de desenvolver perturbações mentais, distúrbios neurológicos ou problemas relacionados com a utilização de substâncias, bem como outras condições de saúde como diabetes, perda de audição, e osteoartrite.

Por outro lado à medida que as pessoas envelhecem, são mais propensos a desenvolver várias doenças ao mesmo tempo.

Quais os sinais de alterações psicológicas com a idade?

Reconhecer os sinais e consultar um profissional de saúde é o primeiro passo para obter tratamento, que pode fazer uma verdadeira diferença na qualidade de vida de uma pessoa.

Mas, alguns sinais podem indicar a existência de algum tipo de perturbação psicológica:

  • Mudanças evidentes no humor, nível de energia ou apetite
  • Sensação de vazio ou ter dificuldade em sentir emoções positivas
  • Dificuldade em dormir ou dormir demais
  • Dificuldade de concentração e sensação de inquietação
  • Aumento da preocupação ou sensação de stress
  • Raiva, irritabilidade ou agressividade
  • Dores de cabeça, problemas digestivos ou dor persistente
  • Necessidade urgente de álcool ou drogas
  • Tristeza ou desalento
  • Pensamentos suicidas
  • Envolvimento em atividades de alto risco
  • Pensamento obsessivo ou comportamento compulsivo
  • Pensamentos ou comportamentos que interferem com o trabalho, a família ou a vida social
  • Pensamentos ou comportamentos inusitados que envolvem outras pessoas

Qual o impacto psicológico do envelhecimento

Os problemas de saúde mental são comuns entre os idosos e podem incluir isolamento, distúrbios afetivos, ansiedade, demência e psicose, entre outros.

Muitos idosos também sofrem de perturbações do sono e do comportamento, deterioração cognitiva ou estados de confusão como resultado de perturbações físicas ou intervenções cirúrgicas.

À medida que as pessoas envelhecem, experimentam mudanças nas capacidades físicas e cognitivas, tais como velocidade de marcha e tempo de reação, e também mudanças na vivência emocional e nos interesses sociais.

O envelhecimento é ainda governado tanto por elementos biológicos como socioculturais.

É importante fazer uma vigilância do estado psicológico do idoso. O isolamento familiar, as alterações no corpo, a perda de entes queridos e até mesmo o pensamento na morte, o afastamento do trabalho e da vida produtiva, são tudo fatores que contribuem para a saúde mental.

Menos produtividade traz a sensação de inutilidade, falta de paciência com as próprias limitações, o esquecimento, lentidão, entre outros fatores acabam por facilitar o desenvolvimento de quadros patológicos, como a depressão, hipocondria e, em alguns casos, até o suicídio.

O envelhecimento acontece, sobretudo, em duas vertentes; a componente biológica e a componente psicológica.

Componente biológica

Provoca a vulnerabilidade do organismo com as agressões internas e externas, decorrentes das alterações genéticas e da alteração celular-molecular. É um processo dinâmico e irreversível.

Componente psicologica

Os aspetos mentais do envelhecimento processam-se de forma diferente dos aspetos biológicos.

Não têm uma componente progressiva e irreversível, pelo contrário, depende da dinâmica entre a passagem do tempo e do esforço pessoal no sentido de procurar o autoconhecimento e significado na vida.

Neurologicamente, o processo de envelhecimento concentra-se na redução da rede neuronal e dendrítica, o que implica alterações nos tempos de reação, raciocínio, agilidade e mobilidade do idoso.

Existem, contudo, aspetos psicológicos mais evidentes que se relacionam com a idade mais avançada:

Depressão

Os quadros de depressão são comuns com o avançar da idade e nas pessoas idosas. Pela vivência de perdas e da sensação de impotência em lidar com frustrações e culpas, e ainda, pela dificuldade em relacionar-se com o mundo externo, os idosos tendem a ficar deprimidos.

A depressão pode causar grande sofrimento e levar a um funcionamento deficiente na vida quotidiana. Esta doença ocorre geralmente em 7% da população mais idosa, afetando sobretudo as pessoas com mais de 60 anos de idade.

A depressão é frequentemente sub-diagnosticada e sub-tratada nos cuidados médicos em geral, muitas vezes porque está associada a outros quadros clínicos que ganham mais notoriedade a nível clínico.

As pessoas idosas com sintomas depressivos têm um funcionamento mais deficiente em comparação com as pessoas com doenças crónicas, tais como doenças pulmonares, hipertensão ou diabetes.

A depressão também aumenta a perceção de saúde precária, a utilização de serviços de saúde e os custos associados aos cuidados médicos.

Saiba mais sobre doenças pulmonares e respiratórias.

Ansiedade

A ansiedade é um sentimento como uma angústia inconsciente por medo do aniquilamento e da fragmentação que passa a ser maior do que o medo da própria morte e geralmente ocorre em simultâneo com a depressão.

Os quadros de ansiedade incluem uma série de perturbações como a síndrome de acumulação de objetos e a desordem obsessivo-compulsiva, até às fobias e a desordem de stress pós-traumático.

Quase 8% das pessoas com mais de 65 anos são diagnosticadas com um transtorno de ansiedade em algum momento das suas vidas.

Demência

Os quadros demenciais estão geralmente associados à deterioração neurológica, mas também a mecanismos psicológicos pouco funcionais que não conseguiram criar uma nova estrutura reorganizadora das condições envolvidas no envelhecimento e perdas vividas.

A senilidade psicológica está relacionada não somente com psicopatologias presentes na velhice, mas, também, às condições existentes antes mesmo do início do processo de envelhecimento.

A demência é uma síndrome, geralmente de natureza crónica ou progressiva, em que há deterioração da memória, do pensamento, do comportamento e da capacidade de realizar atividades quotidianas.

Afeta principalmente as pessoas idosas, embora não seja uma parte normal do envelhecimento.

Estima-se que 50 milhões de pessoas em todo o mundo vivem com demência. Prevê-se que o número total de pessoas com demência aumente para 82 milhões em 2030 e 152 milhões em 2050.

Existem questões sociais e económicas significativas em termos de custos diretos dos cuidados médicos, sociais e informais associados à demência.

Além disso, as pressões físicas, emocionais e económicas podem causar grande stress às famílias e aos prestadores de cuidados.

O processo de envelhecimento provoca muitas alterações que, por vezes, não são fáceis de lidar.

A tendência para o desinteresse pelo mundo e pelos outros, tendência ao recolhimento centrado em si próprio, perda das capacidades de adaptação e a tendência para o ciúme, ligado à frustração, são algumas das alterações que ocorrem no mundo mental do idoso.

Por outro lado, atitudes maníacas ou de recusa, acompanhadas, frequentemente, com uma certa atitude infantilizada, aumentam com o passar do tempo de vida.

Assim, a maior ou menor capacidade para lidar com situações difíceis dependerá sempre do grau de maturidade, autoestima, tolerância à frustração e da capacidade de envolver-se e investir em projetos construtivos.

Caso essa maturidade não tenha ocorrido, o idoso terá mais probabilidade de apresentar uma vida psicológica disfuncional na tentativa de solucionar os conflitos emocionais que a falta de maturidade implica.

Ao longo do processo de envelhecimento, o aparelho psíquico, também, sofre um processo de diminuição de suas capacidades, que se manifesta por uma certa uma fragilização do ego devido às pressões da realidade.

Há uma certa humildade que se desenvolve pelas experiências acumuladas durante a vida e pela proximidade da morte e ocorre uma reemergência do lado mais impulsivo, podendo também haver alguma flexibilidade de valores morais.

Este processo produz efeitos na maneira de ver o mundo e viver no mundo, de modo que se tornam comuns algumas alterações como a perda de uma identidade corporal, uma vez que o corpo deixa de ser fonte de prazer e de mobilidade e passa a ser depositário de dor ou de desconforto.

Todas estas alterações levam a um certo desleixo com a higiene e pouca adesão a tratamentos e prescrições de medicamentos, por parte do idoso.

Quais os fatores de risco para a saúde mental dos idosos?

Podem existir múltiplos fatores de risco para problemas de saúde mental em qualquer momento da vida.

As pessoas mais velhas podem sofrer de stress de vida comum a todas as pessoas, mas também de stress que são mais comuns à fase de vida que atravessam, como uma perda contínua significativa de capacidades e um declínio na capacidade funcional.

Por exemplo, os idosos podem sofrer de mobilidade reduzida, dores crónicas, fragilidade ou outros problemas de saúde, para os quais necessitam de alguma forma de cuidados a longo prazo.

Além disso, as pessoas idosas têm mais probabilidades de vivenciar experiências mais tristes como o luto, ou uma queda no estatuto socioeconómico quando chegam à reforma.

Todos estes fatores de stress podem contribuir para um maior isolamento, solidão ou angústia psicológica nas pessoas idosas.

A saúde mental também tem um impacto na saúde física e vice-versa. Por exemplo, os idosos com condições de saúde como doenças cardíacas, têm taxas de depressão mais elevadas do que os que são saudáveis.

Os idosos são também vulneráveis ao abuso, incluindo abuso físico, verbal, psicológico, financeiro e sexual, abandono, negligência e sérias perdas de dignidade e respeito.

O abuso de idosos pode levar não só a lesões físicas, mas também a consequências psicológicas graves e por vezes duradouras, incluindo depressão e ansiedade.

Segundo a Organização Mundial da Saúde existem muitos fatores que podem ter impacto na vida psicológica dos idosos.

Entre esses fatores incluem-se:

  • Abuso de álcool ou de substâncias
  • Doença causadora de demência como a doença de Alzheimer
  • Doença ou perda de um ente querido
  • Doença a longo prazo como o cancro ou doença cardíaca
  • Dor crónica
  • Interações medicamentosas
  • Deficiência física ou perda de mobilidade
  • Doenças físicas que podem afetar a emoção, memória e o pensamento
  • Dieta pobre ou desnutrição

Como melhorar a saúde mental dos idosos?

Problemas de memória, declínio cognitivo e um crescente estado de solidão, tudo isto torna os idosos especialmente vulneráveis a problemas de saúde mental.

Os problemas mais comuns incluem ansiedade, graves perturbações cognitivas e perturbações do humor, tais como depressão ou doença bipolar. Problemas como a ansiedade e a depressão podem ter um impacto negativo na saúde física e no bem-estar dos idosos.

Estas condições, especialmente as perturbações do humor, podem levar a perturbações do funcionamento físico, mental e social e podem afetar e complicar o tratamento de outras perturbações crónicas.

Embora estas perturbações psicológicas tendam a aumentar com a idade, a depressão e outras doenças não são uma parte normal do envelhecimento.

Manter as ligações emocionais e manter ligações sociais fortes e significativas com os amigos e a família contribui em muito para prevenir problemas de saúde mental na terceira idade.

Algumas estratégias podem ser usadas para manter a saúde psicológica dos idosos. Eis alguns exemplos:

Jogos mentais

Tal como o corpo precisa de atividade física e estimulação para se manter saudável, o cérebro precisa de estimulação para se manter ágil e evitar o declínio cognitivo à medida que envelhece.

Os jogos cerebrais podem ajudar a aperfeiçoar certas capacidades de pensamento, tais como velocidade de processamento, capacidades de planeamento, tempo de reação, tomada de decisões e memória a curto prazo.

Qualquer atividade que mantenha a mente envolvida e a trabalhar para resolver problemas contribui para a saúde cerebral, mas algumas das atividades mais comuns e acessíveis para os mais velhos incluem:

Leitura e escrita

A leitura pode melhorar o funcionamento da memória, reduzir o stress e promover um sono melhor. A escrita também pode ajudar a gerir e aliviar os efeitos do stress e da ansiedade.

Aprendizagem de uma nova língua

A aprendizagem de línguas exercita regiões do cérebro frequentemente afetadas pelo envelhecimento e pode criar confiança e até aumentar a socialização com outros que podem conhecer ou estão a aprender a mesma língua.

Tocar um instrumento

A música estimula o cérebro e melhora a memória em idosos com Alzheimer e demência. Também pode melhorar a fluência verbal e a velocidade de processamento numa questão de meses.

Puzzles e jogos

Para além de serem agradáveis, construir puzzles pode atrasar o declínio da memória e melhorar a saúde mental dos idosos.

Exercício físico

Desde caminhadas regulares a aulas de yoga e dança de salão, o exercício e a atividade física beneficiam tanto a mente como o corpo, aumentando a confiança e reduzindo o risco de quedas.

Exercícios de baixo impacto como alongamentos e treino de força são necessários para ajudar os idosos a manterem-se saudáveis e reduzir o risco de problemas comuns relacionados com a idade, como fraturas ósseas, dores articulares e outras doenças crónicas.

Para além dos benefícios físicos, o exercício também pode ajudar a gerir o stress, ansiedade e depressão na terceira idade.

Manter a ligação aos amigos

O tempo e a distância podem tornar difícil para as pessoas manter relações próximas com amigos, especialmente porque envelhecem.

Para os idosos, manter-se em contacto com as pessoas importantes nas suas vidas pode ajudar a afastar a solidão e sentimentos de isolamento que podem levar à depressão, bem como ao declínio mental e físico.

Aprender a conectar com novos e velhos amigos nas redes sociais, por exemplo, são apenas algumas formas de manter o contacto.

Os idosos podem também de forma mais simples escrever cartas ou estabelecer um horário regular para uma chamada telefónica habitual com os amigos ou familiares.

Criar novos passatempos

A terceira idade não é o fim ainda é possível perseguir objetivos de vida, seja jardinagem, costura, pintura ou aprender a cozinhar pratos específicos.

Alguns hobbies ajudam a aumentar a neuroplasticidade do cérebro em que as células nervosas se ligam ou se reconectam, alterando a estrutura e função do cérebro quando estimuladas através da repetição de gestos e atividades.

À medida que as ligações neuronais são reforçadas e novas ligações são estabelecidas, as pessoas sentem-se confortados e ganham um maior sentimento de pertença melhorando a sua saúde mental.

Voluntariado

Muitos idosos encontram realização e um sentido de propósito no voluntariado por uma causa digna.

O voluntariado dos idosos para uma causa ou organização pode ser uma experiência gratificante em qualquer idade.

Para alguém que procura doar o seu tempo após a reforma, o voluntariado pode oferecer uma série de benefícios adicionais que melhoram a saúde física, emocional e mental.

O voluntariado durante o tempo de reforma pode ajudar os idosos a permanecerem ativos, socialmente empenhados e a tornarem-se parte de uma comunidade diversa.

Cuidar de um animal de estimação

Em situações em que é apropriado e seguro, os animais podem ajudar a manter os idosos ativos e ocupados e oferecer companhia.

Alguns benefícios para a saúde de ter um animal de estimação incluem:

  • Diminuição da pressão sanguínea
  • Diminuição dos sentimentos de solidão
  • Maiores oportunidades de socialização

É extremamente importante que os impactos psicológicos do envelhecimento sejam atenuados, sem uma mente saudável e estável, os idosos estão mais suscetíveis a outras doenças e condições físicas.

Há atividades simples e rápidas que podem ajudar tremendamente a longo prazo.

Conclusão

A população mundial está a envelhecer rapidamente. As pessoas mais velhas enfrentam desafios especiais de saúde física e mental que precisam de ser reconhecidos.

Pelo menos um em cada quatro idosos sofre de alguma perturbação mental, como depressão, ansiedade ou demência. A depressão é o problema de saúde mental mais comum nas pessoas mais velhas.

Devido ao envelhecimento da população, o número de idosos com distúrbios mentais deverá duplicar até 2030. As pessoas com 85 anos ou mais têm a maior taxa de suicídio de qualquer grupo etário. Dois terços dos idosos com problemas de saúde mental não recebem o tratamento de que necessitam

Os problemas de saúde mental são muitas vezes invisíveis para os profissionais de saúde e para as próprias pessoas idosas, em conjunto com o estigma associado a estas perturbações torna as pessoas relutantes em procurar ajuda.

Os problemas de saúde mental, incluindo ansiedade e depressão, afetam negativamente a saúde física e a capacidade de funcionamento, especialmente nos idosos.

Alguns problemas de fim de vida que podem resultar em depressão e ansiedade incluem lidar com problemas de saúde física, cuidar do cônjuge com demência ou deficiência física, lamentar a morte de entes queridos e gerir conflitos com membros da família.

A abordagem destes problemas e o tratamento de condições de saúde mental frequentemente negligenciadas resulta em diminuição do sofrimento emocional, melhoria da saúde física, diminuição da incapacidade e uma melhor qualidade de vida para os idosos e as suas famílias.

A saúde e o bem-estar psicológico estão intimamente relacionados e a ligação pode tornar-se mais importante quanto mais avançada for a idade, quanto mais não seja porque a prevalência de doenças crónicas aumenta com o envelhecimento.

As perceções da qualidade de vida são afetadas pelo estado de saúde da pessoa e o bem-estar psicológico é afetado por muitos outros fatores para além da saúde.

As condições materiais, relações sociais e familiares, papéis e atividades sociais, são fatores que também mudam com a idade e podem contribuir para um melhor bem-estar psicológico.

O bem-estar psicológico pode mesmo ser um fator de proteção da saúde, reduzindo o risco de doenças físicas crónicas e promovendo a longevidade.

Juntos Cuidamos Melhor!

Na Mais que Cuidar pode encontrar uma gama completa de produtos e serviços que dão uma ajuda importante no apoio e na qualidade de vida e na saúde dos idosos, prestando cuidados de saúde ao domicilio (apoio domiciliário, fisioterapia, enfermagem) e produtos de apoio para comprar ou alugar, como os produtos de ortopedia.

Os nossos profissionais de saúde e mobilidade têm sempre as melhores soluções para a sua situação específica. Temos ao seu dispor uma linha de apoio de enfermagem 24h/dia 365 dias do ano.

Na Mais que Cuidar poderá contar também com o apoio do médico fisiatra através da consulta ao domicílio ou da teleconsulta.

Referências:

  • Organização Mundial de Saúde
  • National Institute on Aging
  • American Psychological Association

*Atenção: O Blog Mais que Cuidar é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre temas relacionados com saúde e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde.

Lojas de Ortopedia e Geriatria em Portugal
Procuramos estar cada vez mais perto de si.
Venha conhecer-nos! Juntos Cuidamos Melhor.
Porto
Porto
Estrada da Circunvalação 14688
4450-097 Matosinhos
T. 224 054 146
Chamada para rede fixa nacional
Lisboa
Lisboa
Rua Manuel Martins da Hora, 2
1750-172 Lisboa
T. 210 402 220
Chamada para rede fixa nacional
Oeiras
Oeiras
Rua Luís Tavares 17
2740-315 Porto Salvo
T. 219 362 035
Chamada para rede fixa nacional
Almada
Almada
Rua do Regil 21A
2805-234
Almada
T. 210 402 248
Chamada para rede fixa nacional
Faro
Faro
Estrada Municipal 514
Zona Ind. da Barracha, Lote 11
8150-017 São Brás de Alportel
T. 289 824 225
Chamada para rede fixa nacional