Central de Atendimento

Como podemos ajudar?
Precisa de ajuda?

Dor Crónica tem cura?

Dor crónica e os seus efeitos

Todos nós experimentamos dores ocasionais. De facto, a dor súbita é uma reação importante do sistema nervoso que ajuda a alertar para possíveis lesões.

Quando ocorre uma lesão, os sinais de dor viajam da zona lesionada até à medula espinal e até ao cérebro.

A perceção da dor envolve o estímulo doloroso e a reação emocional à dor, sendo uma experiência pessoal e subjetiva, com um caracter multidimensional, modificada por variáveis emocionais.

A dor torna-se normalmente menos severa à medida que a lesão cicatriza. No entanto, a dor crónica é diferente da dor típica. Com a dor crónica, o corpo continua a enviar sinais de dor para o cérebro, mesmo depois de uma lesão cicatrizar.

Isto pode durar várias semanas a anos. A dor crónica pode limitar a mobilidade e reduzir a flexibilidade, força e resistência. Isto pode tornar a realização de tarefas e atividades diárias num verdadeiro desafio.

De acordo com a Academia Americana de Medicina da Dor, mais de 1,5 mil milhões de pessoas em todo o mundo têm dores crónicas. É a causa mais comum de incapacidade a longo prazo nos Estados Unidos, afetando cerca de 100 milhões de americanos.

Em Portugal, a dor crónica é um problema de saúde pública, com uma prevalência de 36,7%. Para cerca de 14% dos portugueses, essa dor é recorrente com variações na intensidade entre moderada a grave.

Os custos associados à dor crónica ascendem a 4610 milhões de euros por ano, representando cerca 2,7% do PIB nacional. A sua ocorrência provoca reformas antecipadas por invalidez, elevado grau de absentismo laboral e desemprego.

Continue a ler para saber mais sobre os efeitos da dor crónica.

O que é a dor crónica?

A dor crónica é definida como a dor que dura pelo menos 12 semanas. A dor pode manifestar-se de forma aguda, causando uma sensação de ardor ou dor especificamente nas áreas afetadas.

Pode ser constante ou intermitente, indo e vindo sem qualquer razão aparente. A dor crónica pode ocorrer em qualquer parte do corpo. A dor pode ser sentida de forma diferente nas várias áreas afetadas.

Alguns dos tipos mais comuns de dor crónica incluem:

A dor crónica pode afetar pessoas de todas as idades, mas é mais comum em adultos mais velhos.

Para além da idade, outros fatores que podem aumentar o risco de desenvolver dor crónica incluem:

  • Ter uma lesão
  • Ser operado
  • Ser mulher
  • Ter obesidade ou excesso de peso

Quando a dor interfere com o trabalho e as atividades normais da vida, pode tornar-se num círculo vicioso. A dor pode provocar depressão e irritabilidade. A depressão e a irritabilidade conduzem frequentemente à insónia e ao cansaço, levando a mais irritabilidade, depressão e dor.

Este ciclo é designado geralmente por a tríade terrível do sofrimento, insónias e tristeza. O desejo de parar a dor pode tornar algumas pessoas dependentes de drogas, e pode levar outras a fazer repetidas cirurgias, ou a recorrer a tratamentos questionáveis.

A situação pode muitas vezes ser tão problemática para a família como para a pessoa que sofre com a dor.

Quais as causas?

A dor crónica é geralmente causada por uma lesão inicial, tal como uma entorse ou um problema muscular nas costas. Acredita-se que a dor crónica se desenvolve depois de os nervos ficarem danificados.

Os danos nos nervos tornam a dor mais intensa e de longa duração. Nestes casos, o tratamento da lesão subjacente pode não resolver a dor crónica.

Em alguns casos, porém, as pessoas sentem dor crónica sem qualquer lesão anterior. As causas exatas da dor crónica sem lesões não são bem compreendidas.

A dor pode por vezes resultar de uma condição de saúde subjacente, como por exemplo:

Síndrome de fadiga crónica

Caracterizada por um cansaço extremo e prolongado que é frequentemente acompanhado por dor.

Endometriose

Uma desordem dolorosa que ocorre quando o revestimento uterino cresce fora do útero.

Fibromialgia

A fibromialgia é uma dor generalizada nos ossos e músculos.

Doença inflamatória intestinal

Um conjunto de condições que provoca inflamação crónica e dolorosa no aparelho digestivo.

Cistite intersticial

Uma doença crónica que se manifesta pela pressão e dor na bexiga.

Disfunção da articulação temporomandibular

Uma doença que provoca um clique doloroso, estalido ou bloqueio da mandíbula.

Vulvodinia

Dor crónica de vulva que ocorre sem causa óbvia

Qual é o tratamento?

O principal objetivo do tratamento é a redução da dor e o aumento da mobilidade. Isto ajuda a pessoa a regressar às suas atividades diárias sem desconforto.

A dor crónica afeta de uma forma geral a vida da pessoa afetada. O tratamento mais eficaz inclui o alívio e apoio dos sintomas.

Uma abordagem multidisciplinar da gestão da dor é frequentemente necessária para proporcionar as intervenções necessárias para ajudar a gerir a dor.

Os programas de gestão da dor são geralmente feitos em regime ambulatório. Muitos profissionais qualificados fazem parte da equipa de reabilitação para a gestão da dor.

A gravidade e a frequência da dor crónica podem diferir entre indivíduos. Assim, os médicos criam planos de gestão da dor que são específicos para cada pessoa.

O plano de gestão da dor dependerá dos sintomas e de quaisquer condições de saúde subjacentes.

Tratamentos médicos, medicamentos e alterações no estilo de vida, ou uma combinação destes métodos podem ser utilizados para tratar a dor crónica:

Medicamentos

Estão disponíveis vários tipos de medicamentos que podem ajudar a tratar a dor crónica. Como por exemplo:

  • Analgésicos
  • Anti-inflamatórios não esteroides
  • Analgésicos opioides
  • Analgésicos adjuvantes, como antidepressivos e anticonvulsivos

Procedimentos médicos para a dor crónica

Certos procedimentos médicos também podem proporcionar alívio de dores crónicas. Um exemplo de alguns são:

  • Estimulação elétrica
  • Bloqueio nervoso, através de injeção que impede os nervos de enviar sinais de dor ao cérebro
  • Acupunctura
  • Cirurgia

Alterações ao estilo de vida

Também podem ser aplicadas alterações ou práticas de atividades que ajudem com a dor como:

A dor física está relacionada com a dor emocional, pelo que a dor crónica pode aumentar os níveis de stress. Eis algumas atividades que podem ajudar a reduzir o stress:

Cuidar do corpo

Comer bem, dormir o suficiente, e fazer exercício regularmente pode manter o corpo saudável e reduzir os sentimentos de stress.

Continuar a executar as atividades diárias

Aumentar o humor e diminuir o stress, participando em atividades e socializando com os amigos. A dor crónica pode tornar desafiante a realização de certas tarefas. Mas o isolamento pode dar uma visão mais negativa da doença e aumentar a sensibilidade à dor.

Procurar apoio

Amigos, família e grupos de apoio podem ajudar e proporcionar conforto durante os momentos difíceis. Quer sejam os problemas com tarefas diárias ou simplesmente um impulso emocional, um amigo próximo ou um familiar pode dar o apoio necessário.

Gestão da dor cronica

Um programa de reabilitação para a gestão da dor pode dar resposta às necessidades especificas e individuais. O programa dependerá do tipo específico de dor, doença ou estado de saúde.

O objetivo dos programas de gestão da dor é ajudar a pessoa a regressar ao mais alto nível funcional e de independência possível, melhorando ao mesmo tempo a qualidade de vida em geral, física, emocional e social. As técnicas de gestão da dor ajudam a reduzir o sofrimento.

Os programas de gestão da dor podem incluir:

Medicamentos prescritos para a dor, incluindo opiáceos, para proporcionar um alívio da dor mais forte do que a aspirina, por exemplo.

Contudo, estes medicamentos são reservados para tipos de dor mais graves, uma vez que têm algum potencial para causar dependência e podem ter efeitos secundários desagradáveis e potencialmente muito perigosos.

Os antidepressivos de prescrição médica podem ajudar algumas pessoas. Estes medicamentos aumentam a oferta dos neurotransmissores produzidos naturalmente, serotonina e norepinefrina.

A serotonina é uma parte importante de uma via de controlo da dor no cérebro.

Tratamentos com calor e frio para reduzir a rigidez e a dor, especialmente para os problemas articulares, como a artrite.

Fisioterapia e terapia ocupacional tais como massagem e tratamentos de hidromassagem.

Exercício para reduzir os espasmos, contraturas articulares, inflamação articular, problemas de alinhamento espinhal, ou enfraquecimento e contração muscular.

Estimulação elétrica local envolvendo a aplicação de breves impulsos de eletricidade nas terminações nervosas sob a pele para proporcionar alívio da dor.

Terapias de injeção, tais como a injeção de esteroides epidurais.

O apoio emocional e psicológico à dor, que pode incluir o seguinte:

  • Psicoterapia e terapia de grupo
  • Gestão do stress
  • Técnicas de relaxamento
  • Meditação
  • Hipnose
  • Biofeedback
  • Mudanças de comportamento
  • Educação e aconselhamento de doentes e familiares
  • Tratamentos médicos e terapêuticos alternativos, conforme o caso

A filosofia comum a todas estas abordagens psicológicas variadas é a crença de que a pessoa pode fazer algo por si própria para controlar a dor.

Isto inclui mudar as suas atitudes, a vitimização, sentimentos ou comportamentos associados à dor, ou compreender como forças inconscientes e eventos passados contribuíram para a dor.

O tratamento, no âmbito do plano de gestão da dor pode também incluir:

Cirurgia

A cirurgia pode ser considerada para aliviar a dor crónica. A cirurgia pode trazer libertação da dor, mas também pode destruir outras sensações, ou tornar-se a fonte de nova dor.

O alívio não é necessariamente permanente, e a dor pode regressar.

Acupunctura

A acupunctura é uma técnica chinesa de inserção de agulhas finas debaixo da pele em pontos selecionados do corpo. Com 2000 anos de idade, tem demonstrado alguma promessa no tratamento da dor crónica. As agulhas são manipuladas para potenciar o alívio da dor.

Quais são os sintomas da dor crónica?

A dor crónica pode ter variações de intensidade entre ligeira a grave ou intensa. Pode continuar dia após dia ou ir e vir. A dor pode manifestar-se de diferentes formas:

  • Dor monótona
  • Latejar
  • Queimadura
  • Espremer
  • Picada
  • Dores múltiplas
  • Rigidez

Por vezes a dor é apenas um dos muitos sintomas, o que também pode incluir:

  • Cansaço intenso
  • Falta de apetite
  • Dificuldade para dormir
  • Mudanças de humor
  • Fraqueza
  • Falta de energia

Como é feito o diagnóstico?

A dor é um sintoma e não um diagnóstico. O desenvolvimento de um diagnóstico diferencial para a dor crónica baseia-se na avaliação das possíveis causas subjacentes da dor.

É essencial determinar quais os processos subjacentes à lesão ou doença responsáveis pela dor, para que seja possível determinar um tratamento eficaz.

Por exemplo, é crucial determinar se a dor neuropática de um doente é periférica ou central.

Se um doente sofrer de dor grave no joelho, é essencial considerar se a dor no joelho é ou não secundária a uma osteoartrite grave, uma vez que o doente pode beneficiar de uma injeção ou de uma possível intervenção no joelho.

Por outro lado, se a dor no joelho estiver relacionada com uma patologia diferente, como a artrite reumatoide, infeção, gota, ou lesão no menisco, serão necessários tratamentos muito diferentes.

O diagnóstico diferencial da dor crónica generalizada inclui pessoas que sofrem de doença depressiva, bem como outras perturbações psiquiátricas ou do sono, incluindo insónia.

Além disso, as doenças autoimunes como o lúpus ou artrite psoriática, fibromialgia e síndromes centrais da dor devem também ser consideradas em situações que envolvem estados de dor crónica generalizada.

As quatro principais categorias de dor são a neuropática, músculo-esquelética, mecânica e inflamatória. Condições dolorosas persistentes não tratadas adequadamente podem levar à dor crónica.

Assim, a dor crónica é frequentemente um sintoma de um ou múltiplos diagnósticos e pode transformar-se no seu próprio diagnóstico à medida que se torna persistente e a neuro química do corpo muda.

É fundamental tratar a dor aguda e subaguda antes que a dor crónica se desenvolva.

Quais são as complicações?

A dor crónica leva a uma diminuição significativa da qualidade de vida, redução da produtividade, perda de salários, agravamento de doenças crónicas, e distúrbios psiquiátricos como a depressão, ansiedade, e distúrbios de abuso de substâncias.

Os doentes com dor crónica correm também um risco significativamente maior de suicídio e de ideação suicida.

Muitos medicamentos frequentemente utilizados para tratar a dor crónica têm riscos potenciais e efeitos secundários, bem como possíveis complicações associadas à sua utilização.

Medicamentos frequentemente utilizados, podem causar sedação, inchaço, alterações de humor, confusão, e depressão respiratória em pacientes mais idosos que requerem analgésicos adicionais.

Estes fármacos requerem precaução em pacientes idosos com neuropatia diabética dolorosa. Também alguns medicamentos combinados com analgésicos opioides, têm demonstrado aumentar a taxa de mortalidade dos doentes.

Alguns medicamentos podem ainda causar alterações de humor, dores de cabeça, náuseas e outros possíveis efeitos secundários e devendo ser evitados em doentes com antecedentes de doenças renais ou hepáticas.

As temidas complicações da terapia com opiáceos incluem o vício, bem como uma overdose que resulta em comprometimento respiratório.

Os doentes tornam-se mais sensíveis a estímulos dolorosos quando estão sob a influencia de opiáceos crónicos.

Os riscos e efeitos secundários a longo prazo dos opiáceos incluem constipação, tolerância, dependência, náuseas, dispepsia, arritmia e disfunção endócrina induzida por opiáceos, que pode resultar em amenorreia, impotência, ginecomastia, e diminuição da energia e da libido.

Além disso, parece haver um risco dependente da dose de overdose de opiáceos com o aumento diário de equivalentes de morfina.

Podem ainda ocorrer complicações na região cervical da medula espinhal, dado um aumento da amplitude de movimento da vértebra cervical com intervenções nesta área.

O risco de infeção após a colocação de um estimulador da medula espinhal situa-se entre 2,5 e 12%. Por último, pode ocorrer trauma direto da medula espinhal.

A complicação infeciosa mais significativa seria um abcesso da medula espinhal.

A dor crónica tem cura?

Não há cura para a dor crónica, mas a doença pode ser gerida com sucesso, através de um tratamento adequado e de um bom plano de gestão da dor para ajudar a aliviar os sintomas.

Como fazer a prevenção?

A prevenção é uma peça importante do processo de gestão da dor.

Evitar os estímulos, manter um estilo de vida saudável, e utilizar equipamento de postura amigável são apenas algumas das principais dicas de prevenção da gestão da dor.

Outras estratégias que podem ser usadas pra prevenir a ocorrência de dor crónica são:

Reduzir o stress

O stress afeta fisicamente, mentalmente e emocionalmente. Pode mesmo contribuir para a dor. De facto, o stress crónico mantém o corpo num estado de alerta, o que significa que os músculos permanecem tensos e a pressão sanguínea elevada.

Para reduzir o stress, podem ser usadas várias técnicas como a meditação, os exercícios respiratórios, a autoconferência positiva, os exercícios físicos e as massagens.

Dormir muito

Alguns estudos sugerem que a dor e o sono estão relacionados. De facto, estudos recentes sugerem que a deficiência do sono pode perturbar processos que contribuem para a manutenção da dor crónica e a inibição da dor.

Alguns resultados indicam que a perturbação do sono aumenta o risco de novos casos de dor crónica em indivíduos sem dor, piora o prognóstico a longo prazo da dor de cabeça e dor músculo-esquelética crónica existentes, e influencia as flutuações diárias da dor clínica.

Além disso, um bom sono parece melhorar as condições das pessoas com dores de cabeça de tensão, enxaquecas, e outras dores.

Manter a saúde

A manutenção de um estilo de vida saudável implica comer alimentos saudáveis e ter atividade física suficiente.

Uma nutrição adequada fornece ao nosso corpo o combustível, as vitaminas e os minerais de que necessitamos para nos mantermos saudáveis.

A falta de certas vitaminas e nutrientes pode causar deficiências e condições médicas. Além disso, é importante limitar os alimentos processados e os alimentos açucarados. Estes podem levar à obesidade, diabetes, e outras condições médicas que podem contribuir para a dor crónica.

Postura adequada e utilização do equipamento certo

A má postura pode contribuir para a dor crónica. A posição sentada na secretária sem apoio ou ao telefone, por exemplo, coloca stress nos músculos das costas e na coluna.

Fazer isto todos os dias pode levar a dores crónicas nas costas e pescoço. Ao trabalhar numa secretária, podem prevenir-se as dores adotando a posição sentada direita e montando corretamente o respetivo posto de trabalho.

Usar uma cadeira com bom apoio lombar. Posicionar também o monitor do computador de modo a que fique ao nível dos olhos e não obrigue o olhar a ir para cima ou para baixo.

Evitar os estímulos de dor

Para quem tem enxaquecas, é muito importante identificar os fatores que podem desencadear um surto de enxaqueca.  Alguns destes estímulos que desencadeiam a enxaqueca são a luz intensa, som, cheiros e comida.

Conclusão

Quase toda a gente sente dor de vez em quando. Quando se corta o dedo ou se distende um músculo, a dor é a forma do nosso corpo nos dizer que algo está errado. Assim que a lesão cicatriza, deixa de doer.

A dor crónica é diferente. O corpo continua a sofrer semanas, meses, ou mesmo anos após a lesão. Os médicos definem frequentemente dor crónica como qualquer dor que dure entre 3 a 6 meses ou mais.

A síndrome da dor crónica tem um custo tanto para a sua saúde física como mental. Embora a dor possa ser quase constante, pode haver crises de dor mais intensas devido ao aumento do stress ou da atividade.

Esta dor é física e psicologicamente stressante e o seu constante desconforto pode levar à raiva e à frustração para a própria pessoa e para os seus familiares.

Quando a pessoa não se sente bem, a gestão da dor crónica pode ser difícil. O stress emocional pode tornar a dor ainda pior e pode ser difícil trabalhar.

A dor crónica pode ter efeitos muito intensos na vida quotidiana e na saúde mental. Mas, com acompanhamento médico e um tratamento adequado é possível alcançar uma melhor qualidade de vida.

Juntos Cuidamos Melhor!

Nos centros Mais que Cuidar pode encontrar uma gama completa de produtos e serviços  que dão uma ajuda importante no apoio e no conforto aos doentes que sofrem de dor crónica, prestando cuidados de saúde ao domicilio (apoio domiciliário, fisioterapia, enfermagem) e produtos de apoio para comprar ou alugar.

Os nossos profissionais de saúde e mobilidade ajudarão a encontrar as melhores soluções para a sua situação clínica.

Na Mais que Cuidar poderá contar também com o apoio do médico fisiatra através da consulta ao domicílio ou da teleconsulta.

Referências:

  • American Academy of Pain Medicine
  • Observatório Português de Sistemas de Saúde
  • The Journal of Pain

*Atenção: O Blog Mais que Cuidar é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre temas relacionados com saúde e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde.

Central de Atendimento

como podemos ajudar?
Apoio via Whattsapp
Entre em contato
através do Whattsapp.
ABRIR WHATTSAPP
Apoio por Telefone
Contacte-nos todos os dias
úteis entre 10h às 19h e aos
Sábados das 10h às 13h
Lojas de Ortopedia e Geriatria em Portugal
Procuramos estar cada vez mais perto de si.
Venha conhecer-nos! Juntos Cuidamos Melhor.
Porto
Porto
Estrada da Circunvalação 14688
4450-097 Matosinhos
T. 224 054 146
Lisboa
Lisboa
Rua Manuel Martins da Hora, 2
1750-172 Lisboa
T. 210 402 220
Almada
Almada
Rua do Regil 21A
2805-234
Almada
T. 210 402 248
Faro
Faro
Estrada Municipal 514
Zona Ind. da Barracha, Lote 11
8150-017 São Brás de Alportel
T. 289 824 225