Central de Atendimento

Como podemos ajudar?
Precisa de ajuda?

Como lidar com comportamentos agressivos nos idosos?

Como lidar com comportamentos agressivos nos idosos?

Nos idosos, os comportamentos podem se alterar como resultado do aparecimento de doenças e do envelhecimento.

Os comportamentos violentos podem ser não só perigosos, mas também difíceis de lidar para os prestadores de cuidados, especialmente quando o cuidador faz parte da família.

O processo de envelhecimento pode suscitar raiva e agressão em doentes idosos. O comportamento violento é frequentemente um sintoma de angústia, quer mental quer física.

Também pode ser causado por problemas de saúde como a doença de Alzheimer ou demência. Esta é uma parte normal da doença que é causada pelos danos que estão a acontecer no cérebro dos idosos.

Por vezes acontece que a personalidade típica do idoso que era amável e não violenta ao longo da vida, se transforma completamente.

Como não são capazes de comunicar claramente as suas necessidades, as pessoas com demência podem ser violentas quando estão com medo, frustradas, zangadas, ou com dor ou desconforto.

Estas explosões agressivas podem ser assustadoras e difíceis de lidar para os prestadores de cuidados. Os idosos podem gritar, amaldiçoar, morder, agarrar, bater, pontapear, empurrar ou atirar coisas.

Ao interagir com um idoso que se está a comportar de forma violenta, é importante que os prestadores de cuidados não levem este comportamento a peito.

O idoso pode não estar consciente da sua violência ou comportamento abusivo. Se a agressão é um sintoma da doença de Alzheimer ou demência, o idoso não controla o comportamento violento que está a exibir.

Muitas vezes, os idosos guardam este tipo de comportamento para os familiares de quem estão mais próximos.

Os membros da família devem discutir estes comportamentos com os idosos. O abuso físico para com os cuidadores pode exigir uma intervenção profissional ou mesmo a aplicação da lei.

Exemplos de comportamentos agressivos

Há muitas estratégias que se podem utilizar para lidar com comportamentos agressivos ou perturbadores em idosos.

Discurso ou ações agressivas, acusações, e exigências difíceis, são cenários comuns. O reconhecimento das causas deste comportamento, e a melhor forma de lidar com elas, pode ajudar cuidadores e idosos quando as circunstâncias o exigem.

Estes são alguns exemplos de comportamentos mais agressivos:

Discurso ou atos agressivos

Pode ser chocante quando um idoso choca verbalmente, ou é ainda mais agressivo, como por exemplo atirando coisas.

Mas, é importante não esquecer que este comportamento é involuntário. A agressividade deve-se provavelmente à incapacidade de comunicar eficazmente, podem estar a sentir desconforto físico, ou podem sentir-se desconfortáveis devido a estarem num ambiente desconhecido.

Muitos idosos com demência, incluindo Alzheimer, podem ser agressivos, pelo que a melhor técnica de lidar com a doença é identificar o que está a causar a agressão.

Uma vez identificada a razão pela qual o idoso se está a comportar desta forma, desviar o foco da atenção do que quer que esteja a causar o problema.

É importante conhecer um pouco da maneira de ser do idoso e utilizar uma comunicação apropriada quer à situação, quer ao próprio idoso.

A contratação de um serviço de cuidados domiciliários também pode ser um grande benefício. Não só poderão ajudar com um plano de ação à medida, como também proporcionar uma presença familiar e compassiva na rotina do idoso.

Formando, assim uma forte ligação que permite ao prestador de cuidados compreender a personalidade e preferências dos idosos, para que possam ajudar a cuidar deles em conformidade.

Não fazer julgamentos nem acusações

Pode ser muito difícil lidar com comportamentos agressivos ou perturbadores em idosos com demência, especialmente quando fazem acusações nocivas.

Alguns exemplos são quando acusam as pessoas ao redor de roubar ou de maus tratos. Mas estas explosões e acusações são devidas a um dos sintomas mais comuns da demência.

A deterioração das células cerebrais perturba a capacidade de pensar claramente, e pode causar ilusões e falsas crenças que resultam em afirmações acusatórias.

Mostrar uma postura tranquilizadora e encorajadora, em vez de argumentativa, pode ajudar a dissipar a situação.

É mais uma estratégia para afastar o idoso da questão que levou à irritação, e fazê-lo sem o embaraçar ou banalizar qualquer frustração que estejam claramente a sentir.

Quando os idosos acusam os familiares de os querem fora da sua casa, por exemplo, poder-se-á apresentar todas as razões para que o idoso deva ficar em casa de forma encorajadora.

Pode ser muito doloroso, estressante e frustrante para o cuidador, ser acusado de uma qualquer transgressão, nestas situações talvez uma empresa de apoio domiciliário possa ser mais indicada para lidar com estas situações.

Exigências difíceis causadas pela confusão

Um declínio na função cognitiva resultará na perda da memória do idoso ao longo do tempo, e isto pode causar grande sofrimento, tanto para os familiares como para o idoso.

Os idosos podem não ser capazes de compreender ou reconhecer o que os perturba, e podem parecer confusos quanto ao tempo e ao lugar.

Por exemplo, podem exigir agressivamente que desejem ir para casa, apesar de já estarem na sua própria casa, e podem até maltratar qualquer pessoa que vejam como um obstáculo aos seus desejos.

Nestas situações é melhor não tentar argumentar com o idoso, e de preferência não se deve chamar a atenção para o seu estado confuso.

As respostas devem ser concisas e a reorientação ou mentiras terapêuticas, são também frequentemente a melhor forma de lidar com os momentos de confusão ou pânico.

Por exemplo, se um idoso está em casa, mas insiste que deseja ir para casa, é provavelmente porque de repente se sente inseguro ou desconfortável. O objetivo, neste caso é fazê-lo sentir-se o mais seguro possível.

Respostas simples como dar a indicação de que se vai esperar mais um pouco antes de ir para casa, pode ajudar a pô-los à vontade temporariamente, até o momento de confusão passar.

Uma sensação de segurança pode ajudar muito o idoso em momentos difíceis, e é por isso que ser cuidado no conforto da sua própria casa é muitas vezes a opção preferida para os idosos.

Dicas para lidar com o comportamento agressivo

Nem sempre é fácil lidar com os comportamentos agressivos dos idosos, mas a utilização de algumas estratégias pode fazer uma grande diferença em momentos mais difíceis.

Manter as expectativas realistas

Ter sempre em mente que o comportamento desafiador e as explosões agressivas são sintomas normais do processo de envelhecimento e de uma possível demência ajuda a responder de forma calma e solidária.

Saber que estes episódios são uma parte normal do processo de envelhecimento e da doença, reduz o seu choque e surpresa quando a situação acontece e pode também tornar um pouco mais fácil não levar o comportamento a peito.

Identificar a causa imediata ou o que deu origem ao comportamento

Relembrar o que aconteceu imediatamente antes do início da explosão agressiva. Algo como medo, frustração, ou dor pode ter desencadeado a situação.

Por exemplo, o idoso pode começar a gritar na sala e a dizer às pessoas para saírem. Olhando à volta, talvez se note que a sala está a começar a escurecer porque é o início da noite. A luz fraca causa sombra nos cantos da sala, fazendo parecer que há pessoas no canto da sala.

Depois de identificada esta potencial causa, acender as luzes para iluminar os cantos sombrios. Isto poderá ajudar a acalmar os idosos. E, no futuro, será melhor acender as luzes antes que a sala fique demasiado escura.

Outro exemplo, é uma situação em que alguém se aproxima involuntariamente do idoso por trás e provoca um susto no idoso inadvertidamente.

Neste momento pode considerar que foi atacado e, por isso, reage com agressividade que nesta situação é entendida pelo idoso autodefesa.

Excluir a dor como a causa do comportamento

A dor e o desconforto físico podem desencadear um comportamento agressivo em alguém com demência.

Muitos idosos com demência não são capazes de comunicar claramente quando algo os está a incomodar. Em vez disso, estar com dor ou desconforto pode levá-los a agir.

Verificar se precisam de medicação para a dor devido a doenças existentes como artrite ou gota, se estão confortáveis ou se precisam de usar a casa de banho.

Usar um tom de voz suave e um toque reconfortante

Quando o idoso fica perturbado, o cuidador ou os que estão à sua volta devem permanecer o mais calmos possível. Se o cuidador estiver aborrecido, continua involuntariamente a agravar as emoções tensas da situação.

Ficar calmo e respirar lentamente ajuda a reduzir a raiva e a agitação de todos. Falar devagar e manter a voz suave, tranquilizadora e positiva.

Se apropriado, usar um toque suave e calmante no braço ou no ombro para proporcionar conforto e tranquilidade ao idoso.

Validar os sentimentos

Se o idoso está a ser agressivo e não há uma causa óbvia, pode ser porque está a ter fortes sentimentos negativos como frustração, tristeza ou solidão e não sabe como se expressar adequadamente.

Tentar procurar pistas para as emoções no comportamento do idoso e falar de uma forma calma e reconfortante. Assegurar que não há problema em sentir-se assim e que as pessoas estão lá para ajudar.

Acalmar o ambiente

Um ambiente ruidoso ou muito desorganizado pode também desencadear um comportamento agressivo.

Se o idoso começar a comportar-se de forma agressiva, tomar nota do ambiente para ver se é possível acalmar rapidamente a sala. Baixar o volume da música, desligar a televisão e retirar outras pessoas que estejam na sala.

Por a tocar a sua música favorita

A música tem um efeito importante no estado de espírito. Por vezes, cantar uma canção favorita, cantarolar uma canção calma, tocar suavemente música clássica relaxante ou por a tocar as canções favoritas, pode rapidamente acalmar alguém.

Mudar o foco para uma atividade diferente

Se a atividade que o idoso está a fazer causa agitação ou frustração, pode eventualmente provocar uma resposta agressiva.

Depois de dar ao idoso alguns minutos para libertar os seus sentimentos, desviar a atenção para uma atividade diferente, de preferência algo de que normalmente gostam.

Sair da sala

Em alguns casos, nada funciona para acalmar a pessoa idosa.

Se isso acontecer, talvez seja melhor deixar a sala para dar algum espaço e dar tempo para acalmar e recuperar o equilíbrio. Muitas vezes, os idosos nesta situação podem até ser capazes de se acalmar ou até esquecer que estão zangados.

Antes de sair, verificar se o ambiente é seguro e se não é provável que o idoso se magoe a si próprio enquanto estiver sozinho.

Garantir a segurança e pedir ajuda

É essencial verificar que cuidadores e idosos estão seguros e pedir ajuda em situações de emergência.

Se o idoso não conseguir acalmar-se e se estiver a tornar-se um perigo para os cuidadores ou para si próprio, será necessário pedir ajuda a terceiros.

Se a situação não for extrema e houver um familiar ou amigo próximo a quem o idoso normalmente responda bem, ligar para essa pessoa e pedir que venha ajudar imediatamente.

Numa emergência, ligar para o 112 e enfatizar ao operador que a pessoa é idosa e tem demência, se for o caso, o que a está a levar a agir de forma agressiva.

Isto ajuda os socorristas a saberem que a pessoa não está a comportar-se criminosamente e precisa de ajuda para se acalmar em segurança.

Quando os socorristas chegarem, deverá declarar-se novamente de forma clara que o comportamento é causado por demência ou uma lesão cerebral.

Esta informação ajuda os socorristas a tratar os idosos de forma mais adequada. Se a pessoa idosa precisar de ser retirada de casa, deverá ser levada para um hospital.

O que fazer depois de lidar com o comportamento agressivo

Depois do comportamento agressivo ter acontecido, é importante lidar com a situação de forma ponderada e refletida.

Aprender com o que aconteceu

Depois de passar o episódio de comportamento agressivo e depois de os ânimos acalmarem, é importante dar um passo atrás para ver o que se pode aprender com a situação.

A análise da situação também ajuda a encarar a situação de forma menos pessoal e facilita a reflexão sobre o que se poderia fazer de forma diferente da próxima vez para tentar evitar uma reação agressiva.

Pensar em possíveis estímulos que despoletaram a situação, que respostas ajudaram a acalmar as coisas e que respostas pareceram piorar a situação.

Muitas vezes ajuda tomar notas sobre as observações que foram feitas para ver se é possível detetar padrões ou descobrir novas formas de tentar evitar um surto semelhante no futuro ou controlar mais as coisas se isso acontecer.

Encontrar fontes de apoio

É essencial para o bem-estar de todos falar com pessoas que compreendem e possam ajudar a lidar com estas situações difíceis e a lidar com as emoções conflituosas.

Partilhar as experiências com membros de um grupo de apoio de cuidadores, um conselheiro ou terapeuta, ou com amigos ou familiares também pode ajudar.

Considerar o uso de medicação

Quando as técnicas que não utilização medicamentos não estão a funcionar e os comportamentos desafiantes se tornam demasiado difíceis de manusear em segurança, pode ser a altura de verificar com o médico algumas formas de experimentar cuidadosamente os medicamentos comportamentais.

Quando usados adequadamente, os medicamentos podem refrear agressões perigosas e melhorar a qualidade de vida tanto para o idoso para os seus cuidadores.

Mudar o idoso para um outro local

Se o comportamento agressivo continuar a ser perigoso e nenhuma intervenção estiver a funcionar, poderá ser altura de considerar a transferência de o idoso para uma instituição ou um lar com cuidados apropriados.

Estratégias para acalmar os idosos

Além das estratégias para gerir as situações de agressividade, também pode ser útil conhecer algumas estratégias para acalmar mais facilmente os idosos.

Aceitar as limitações

Deve evitar-se levar os idosos além dos seus limites, esperando que tenham um comportamento mais ajustado por si próprios. Os idosos não se recusam a fazer coisas porque são preguiçosos ou porque se recusam a recordar.

Os seus cérebros estão a falhar e estão a perder os conhecimentos e capacidades de que necessitam para realizar as tarefas que eram outrora fáceis.

É preferível e mais produtivo aceitar a situação em que se encontram no momento presente e trabalhar com as competências que apresentam no momento.

Reduzir a quantidade de decisões complexas

Fazer escolhas sobre cada parte do seu dia não é necessário para o idoso, mas ainda há algumas decisões que pode querer tomar.

O objetivo não é retirar o direito de escolha, mas sim simplificar para facilitar as escolhas. Demasiadas opções podem ser confusas e difíceis de gerir.

Por exemplo, ao mudar de roupa, dispor toda a roupa necessária, mas oferecer uma escolha entre duas camisas com cores diferentes.

Desta forma, continuam a participar no processo, mas não terão de encontrar e selecionar todas as outras peças de roupa de que necessitam.

Do mesmo modo, para o almoço poderá ser oferecida uma escolha entre duas opções ao gosto do idoso.

Este tipo de decisão é muito mais fácil de tomar do que uma pergunta mais abrangente como o que querem para o almoço.

Abrandar o ritmo

Estamos habituados a funcionara um ritmo que nos parece normal, mas isso é porque os nossos cérebros são totalmente funcionais e podem processar rapidamente informação e pensamentos.

Quando alguém tem mais idade e se tiver demência, estes processos cognitivos abrandam significativamente. É por esta razão que os idosos precisam de muito mais tempo quando pensam, falam ou tomam decisões.

Para reduzir o stress e permitir que se sintam bem, é essencial não os apressar na vida diária. Tirar a pressão e deixar que avancem ao seu próprio ritmo, mesmo que isso pareça realmente lento.

Manter o ambiente calmo e tranquilo

Estar num ambiente ruidoso e agitado pode sobrecarregar os sentidos e tornar difícil pensar, especialmente quando alguém tem demência. Na verdade, todos nós precisamos de calma e sossego para pensar.

Por exemplo, muitas pessoas quando estão a conduzir para um local desconhecido, desligam automaticamente o rádio para que se possam concentrar. E, a maioria dos estudantes procura lugares calmos como bibliotecas quando precisam de aprender novos conceitos complexos.

Para uma pessoa que tem a doença de Alzheimer ou demência, as tarefas quotidianas tornaram-se difíceis e requerem reflexão e concentração extra. Quando se adiciona ruído alto ou muitas pessoas, é natural que se sinta frustrada e stressada.

Tratar com respeito

Todas as pessoas, independentemente da sua idade ou capacidade, querem ser tratadas com respeito. Os idosos ou os idosos com demência não são diferentes.

Mesmo que lutem com decisões ou tarefas quotidianas, há muitas maneiras de facilitar as coisas, sem deixar de mostrar respeito.

Uma boa maneira de o fazer é proporcionar escolhas simplificadas no dia a dia, garantindo alguma autonomia e sensação de controlo da sua própria vida.

Dessa forma está-se a ajudar o idoso a tomar decisões de uma forma que se adequa às suas capacidades.

Confiar na rotina

As rotinas reduzem a quantidade de pensamentos e o número de decisões que precisam de ser tomadas diariamente.

Por exemplo, não é necessário pensar a que horas tomar o pequeno-almoço, porque existe uma hora habitual para o fazer depois de levantar e escovar os dentes.

As rotinas são especialmente úteis para os idosos com demência, porque reduzem o número de coisas de que necessitam de se lembrar ou pensar.

Ter uma rotina constante é reconfortante e muito menos stressante do que se cada dia fosse imprevisível e tivessem que procurar a sua escova de dentes sempre que precisassem, por exemplo.

Colocar objetos nos mesmos locais e fazer as mesmas atividades à mesma hora do dia significa que sabem onde as coisas estão e o que vai acontecer.

Falar de forma clara e simples

A doença de Alzheimer e a demência afetam a capacidade do cérebro de processar e recuperar informação.

Frases curtas e diretas, com apenas um pensamento por frase, são mais fáceis de compreender. O objetivo é dar ao idoso menos em que pensar e menos do que se recordar.

Ao dar instruções, faze-lo de forma breve e concisa. Ao partilhar informação, fazê-lo clara e de forma simples. Usar menos palavras e um tom caloroso e positivo torna as coisas mais fáceis e menos frustrantes para os idosos.

Evitar a fadiga

Estar demasiado cansado não é bom para o humor de ninguém, mas pode colocar ainda mais pressão sobre um idoso já fragilizado com demência.

Tal como é mais provável que uma pessoa se exalte quando está exausta, também é mais provável que alguém com demência tenha um surto de raiva quando está cansado.

Ajudar com as tarefas

Quando uma tarefa é demasiado difícil, é frustrante e stressante. A resposta não é que o idoso deixe de fazer as coisas por si próprio, isso só os fará sentirem-se pior.

Em alternativa, encontrar formas de modificar as atividades para que sejam realizadas com sucesso pelos idosos.

Por exemplo, se tiverem dificuldade em cortar a comida ao jantar, considerar servir pratos onde a comida já esteja em pedaços mais pequenos ou arranjar uma faca que seja mais fácil de usar.

Por outro lado, se o idoso tiver dificuldade em abotoar as camisas, considerar mudar para roupa com fechos de velcro em vez de fechos de correr ou botões.  E se tiverem dificuldade em atar os atacadores dos sapatos, poderão mudar para sapatos fáceis de calçar.

No caso do banho, é muito mais fácil para os idosos se se colocar uma toalha, um pente e roupa lavada no quarto ou casa de banho para se vestirem de forma rápida e ligar um aquecedor na casa de banho e temperar a água do banho a uma temperatura confortável.

Conclusão

Por vezes, cuidar dos idosos é uma situação que se torna difícil e os prestadores de cuidados podem ter de lidar com qualquer tipo de situação, incluindo alterações físicas, alterações psicológicas e comportamentos associados ao envelhecimento.

Para alguns idosos, a idade e a doença podem trazer à tona ou intensificar traços de personalidade e comportamentos desagradáveis.

Com o tempo, a pessoa idosa pode tornar-se mais irritável, impaciente, impulsiva, exigente ou mesmo fisicamente agressiva.

Embora algumas explosões possam acontecer sem aviso e sem razão aparente, na maioria dos casos, estes comportamentos difíceis e agressivos são um sinal de stress e frustração.

Conhecer as táticas mais adequadas para desconstruir a situação e compreender os fatores que desencadeiam estes comportamentos é fundamental para criar um plano de ação e de cuidados que atenue o desconforto e a agressão.

O primeiro passo na gestão do comportamento agressivo é tentar compreender o que o idoso está a sentir e o que foi desencadeado por ele.

Por vezes, os idosos voltam-se contra os seus cuidadores porque estão frustrados, quer se trate de dor crónica, envelhecimento, ter problemas de memória ou serem incapazes de cuidar das suas próprias necessidades.

Podem estar a agir combativamente como reação a algo ameaçador ou desconfortável no seu ambiente, ou talvez estejam apenas a sentir fome ou sede e não saibam como se expressar adequadamente no momento.

É importante ter em atenção aos sinais e quais os estímulos que podem estar a contribuir para a situação.

A agitação de um idoso também pode vir do desconforto da falta de sono, efeitos secundários da medicação, dores fortes, ruídos altos, demasiada desordem ou ambientes demasiado confusos.

Muitas vezes os idosos estão apenas frustrados consigo próprios. Podem sentir-se confusos se lhes fizerem demasiadas perguntas ao mesmo tempo ou se se sentirem frustrados quando tentam compreender instruções complexas.

É por isso que é importante ouvir e prestar atenção, comunicando de forma clara e cuidadosa com o idoso.

Todas as pessoas reagem à frustração de forma diferente, mas há alguns sinais de aviso a ter em conta no caso dos idosos.

Normalmente há sinais verbais e não verbais, tais como ritmo, inquietação, punhos cerrados, discurso mais alto, profanação, comentários abusivos, e ameaças de violência.

Uma vez identificados os estímulos comuns que causam agressão por parte do idoso, é possível elaborar um plano de cuidados que responda da melhor forma às suas necessidades únicas.

 Por vezes parece que os idosos com a doença de Alzheimer ou demência se enfurecem com coisas simples ou supérfluas.

Mas, o mais provável é que de repente estejam a atingir um ponto de rutura devido a frustrações acumuladas ao longo do tempo por causa de tarefas quotidianas.

Para reduzir estes surtos de raiva e agressividade é importante diminuir o stress e sentimentos de impotência ou incapacidade por parte do idoso. Quando alguém tem demência, a sua capacidade funcional declina.

As tarefas consideradas simples, como escovar os dentes, são na realidade bastante complexas para os idosos. Para uma pessoa com demência, pode ser difícil recordar todos os passos e sequenciá-los corretamente.

O comportamento agressivo nos idosos tem geralmente uma razão muito válida para acontecer. É importante ter sempre isto em atenção para garantir que o idoso é tratado com dignidade e de forma segura.

Juntos Cuidamos Melhor!

Na Mais que Cuidar encontra uma gama completa de produtos e serviços  que dão uma ajuda importante no apoio e no conforto, prestando cuidados de saúde ao domicilio (apoio domiciliário, fisioterapia, enfermagem) e produtos de apoio para comprar ou alugar.

Os nossos profissionais de saúde e mobilidade estão sempre disponíveis para ajudar a encontrar as melhores soluções para a sua situação específica. Temos ao seu dispor uma linha de apoio de enfermagem 24h/dia 365 dias do ano.

Na Mais que Cuidar poderá contar também com o apoio do médico fisiatra através da consulta ao domicílio ou da teleconsulta.

Referências:

A Place for Mom

*Atenção: O Blog Mais que Cuidar é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre temas relacionados com saúde e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde.

Lojas de Ortopedia e Geriatria em Portugal
Procuramos estar cada vez mais perto de si.
Venha conhecer-nos! Juntos Cuidamos Melhor.
Porto
Porto
Estrada da Circunvalação 14688
4450-097 Matosinhos
T. 224 054 146
Lisboa
Lisboa
Rua Manuel Martins da Hora, 2
1750-172 Lisboa
T. 210 402 220
Oeiras
Oeiras
Rua Luís Tavares 17
2740-315 Porto Salvo
T. 219 362 035
Almada
Almada
Rua do Regil 21A
2805-234
Almada
T. 210 402 248
Faro
Faro
Estrada Municipal 514
Zona Ind. da Barracha, Lote 11
8150-017 São Brás de Alportel
T. 289 824 225