Central de Atendimento

Como podemos ajudar?
Precisa de ajuda?

Insónia no idoso: qual o melhor tratamento?

Insónia no idoso: qual o melhor tratamento?

A satisfação com o sono decresce com a idade.

Esta situação está provavelmente relacionada com mudanças no sono associadas à idade, como uma diminuição do sono de ondas lentas, aumento do tempo de vigília após o início do sono, e uma tendência para ir para a cama cedo e levantar cedo.

Embora a sesta seja altamente comum entre pessoas idosas, não tem sido consistentemente correlacionada com perturbações do sono.

Contudo, o envelhecimento não deve ser considerado apenas como a explicação mais óbvia para a insónia.

Múltiplos fatores afetam o sono nos idosos, incluindo a nictúria, síndromes de dor, e muitas doenças, como por exemplo, a insuficiência cardíaca, doença pulmonar obstrutiva crónica e doença de Parkinson.

Outros fatores incluem a síndrome das pernas inquietas, apneia do sono, demência, e frequentemente, fatores situacionais relacionados com alturas de mudança, como a reforma, o luto, ou dificuldades financeiras, que levam à ansiedade e depressão.

O tratamento não farmacológico deve ter precedência sobre o tratamento farmacológico. As intervenções psicológicas e comportamentais são eficazes nos idosos com insónia crónica.

Em doentes idosos, os medicamentos hipnóticos devem ser prescritos cautelosamente e em doses mais baixas do que para doentes mais jovens.

Os medicamentos tendem a ter uma maior duração de efeito em pacientes idosos, em resultado de alterações no metabolismo e eliminação. Isto pode levar a um aumento da incidência de quedas e fraturas ósseas que ocorrem sobretudo durante a noite e decréscimo do estado de alerta e desempenho durante o dia.

Não há muitos estudos em Portugal sobre a insónia em idosos, no entanto, um estudo do Instituto Superior Miguel Torga, revelou que em 65% dos idosos as dificuldades para dormir afetam a vida social e ocupacional e em 69,2% há um impacto emocional.

62,5% dos idosos inquiridos no estudo, referiram que tinham dificuldades para dormir mesmo tendo as condições adequadas para o fazer.

A maioria dos idosos do estudo sofria de insônia,ou seja cerca de 55,0% dos idosos. Cerca de 95,8% dos idosos apresentaram um problema de saúde e uma percentagem considerável apresentou défice cognitivo.

Assim, entre os idosos encontraram-se valores preocupantes de sintomas de insónia, ainda que na maioria dos casos esta situação aconteça em conjunto com problemas de saúde.

O que é a insónia?

A insónia é definida como dificuldade repetida com a iniciação, manutenção, consolidação ou qualidade do sono que ocorre apesar do tempo e da oportunidade com adequação para dormir. Resultando em alguma forma de deficiência funcional diurna.

A insónia é geralmente uma condição transitória ou de curto prazo. Em alguns casos, no entanto, a insónia pode tornar-se crónica.

Existem vários tipos de insónia:

Insónia aguda

 Pode durar até 1 mês. É frequentemente referida como insónia de ajustamento porque ocorre mais frequentemente no contexto de um stress situacional agudo, tal como um novo emprego, um prazo ou exame.

Esta insónia resolve-se tipicamente quando a causa de stress já não está presente ou quando o indivíduo se adapta ao que causou o stress que levou à insónia.

Insónia transitória

Este tipo de insónia ocorre frequentemente quando surgem novas tensões e tensões que se repetem na vida da pessoa. A insónia transitória dura menos de 1 semana e pode ser causada por outra perturbação na vida da pessoa, mudanças no ambiente do sono, stress, ou depressão grave.

Insónia crónica

Esta insónia tem duração superior a 1 mês e pode ser associada a uma grande variedade de condições médicas e psiquiátricas e envolve tipicamente uma dificuldade de sono condicionada.

Contudo, acredita-se que ocorre principalmente em pessoas com uma predisposição para ter insónia.

A insónia crónica tem numerosas consequências para a saúde. Por exemplo, respostas mais lentas a tarefas desafiantes no tempo de reação.

Além disso, as pessoas com insónia crónica relatam uma qualidade de vida reduzida, comparável à experimentada por pessoas com doenças como diabetes, artrite e doenças cardíacas.

A qualidade de vida melhora com o tratamento, mas pode não atingir o nível observado na população em geral.

A insónia crónica está também associada a um desempenho profissional e social diminuído e a uma taxa de absentismo 10 vezes superior à das pessoas sem perturbações de sono.

Além disso, a insónia está associada a uma maior utilização dos cuidados de saúde, incluindo uma frequência 2 vezes superior de hospitalizações e visitas ao consultório médico.

Problemas associados à insónia

Apesar de terem um sono inadequado, muitas pessoas com insónia não se queixam de sonolência excessiva durante o dia. Contudo, manifestam grande cansaço, com pouca capacidade de concentração.

A insónia também pode ser um fator de risco para a depressão e um sintoma associado a uma série de perturbações médicas, psiquiátricas e do sono.

De facto, a insónia parece ser preditiva de uma série de distúrbios, incluindo depressão, ansiedade, dependência do álcool, dependência de drogas e suicídio.

Quais são os sintomas?

De acordo com a Classificação Internacional dos Distúrbios do Sono, uma pessoa com insónias deve apresentar pelo menos um dos seguintes sintomas, apesar de ter tempo suficiente para dormir e uma área de sono relativamente confortável:

  • Dificuldade em adormecer ou em permanecer a dormir
  • Repetição de casos de despertar mais cedo do que desejado
  • Sentimentos de resistência sobre ir para a cama a uma hora razoável
  • Dificuldade em dormir sem intervenção de medicamentos

Em paralelo com a insónia durante a noite, também se verificam efeitos durante o dia como, sonolência diurna excessiva, sensação de fadiga e mal-estar, perturbações do humor e irritabilidade, problemas de concentração e de atenção.

As pessoas com insónia correm maior risco de ter acidentes, e muitas têm problemas em situações sociais e familiares

Qual é o tratamento?

Os objetivos principais do tratamento para a insónia é melhorar a qualidade do sono e melhorar as consequências da falta de sono durante o dia.

As estratégias de tratamento variam de acordo com as causas associadas à insónia. Se existir um distúrbio neurológico, por exemplo, que está a provocar a má qualidade de sono, este distúrbio tem que ser tratado primeiro.

O tratamento da insónia primária, que não é crónica, começa com a educação da pessoa afetada, sobre o problema do sono e medidas adequadas de higiene do sono.

Antes do início desta terapêutica, é pedido à pessoa que mantenha um diário de sono durante 1 ou 2 semanas.

Este processo permite estabelecer uma imagem mais clara do grau de perturbação do sono e possibilita o desenvolvimento de um tratamento mais adequado à situação.

É sempre preferível a utilização de intervenções de tratamento não-farmacológicas para a insónia. Os estudos nesta área mostraram que os benefícios a longo prazo das intervenções não-farmacológicas são superiores aos da medicação.

A terapia cognitivo-comportamental é considerada um dos tratamentos mais adequados para pessoas com insónia temporária.  A utilização desta terapia baseia-se no facto de que este tipo de insónia está geralmente associado à excitação fisiológica, emocional e cognitiva.

Se a pessoa tem uma doença psiquiátrica, a doença deve ser tratada. A gestão da insónia pode envolver medicamentos, psicoterapia, e possível acompanhamento de um psiquiatra, psicólogo ou terapeuta.

Se a insónia estiver relacionada com medicação ou abuso de drogas, a medicação ou as drogas devem ser lentamente retiradas.

Quando as causas médicas ou psiquiátricas da insónia são tratadas, algumas vezes podem persistir graus variáveis de insónia que requerem intervenções adicionais.

Nestes casos, pode ser necessário conjugar diferentes tipos de tratamento como a aplicação da terapia cognitivo-comportamental e a aplicação de sedativos ou antidepressivos.

Outro tipo de tratamentos

Todas as pessoas com insónia, temporária ou crónica, devem ser educadas sobre o sono e os elementos de uma boa higiene do sono.

A higiene do sono implica atividades e hábitos diários que são consistentes com ou promovem a manutenção de um sono de boa qualidade e de um alerta diurno completo.

Deste modo, é importante manter alguns comportamentos:

Desenvolver hábitos de sono regulares

Isto significa manter um sono regular e um determinado tempo de vigília, dormindo tanto quanto necessário para se sentir recuperado no dia seguinte, mas não passando mais tempo na cama do que o necessário.

Evitar ficar na cama de manhã para recuperar o sono

Este processo pode causar alterações à rotina de sono.

Evitar sestas durante o dia

Se for necessária uma sesta, mantê-la curta, ou seja, menos de 1 hora e evitar fazer a sesta depois das 15 horas.

Manter um horário regular durante o dia

Horários regulares para refeições, medicamentos, tarefas domésticas e outras atividades ajudam a manter o relógio interno do corpo a funcionar sem problemas.

Não ler, escrever, comer, ver televisão, falar ao telefone, ou jogar jogos na cama.

Evitar o consumo de cafeína depois do almoço

Evitar estimulantes e álcool nas 6 horas antes da hora de deitar e evitar consumo de tabaco antes de deitar.

Não ir para a cama com fome

A fome dificulta o adormecer, mas também é importante não comer uma grande refeição perto da hora de dormir.

Evitar os comprimidos para dormir

Estes medicamentos podem causar habituação e alterar os ritmos de sono, particularmente os medicamentos de venda livre.

Abrandar e relaxar antes de dormir

Relaxar pelo menos 30 minutos antes de dormir e criar um ritual para dormir, como usar roupa confortável, ouvir música relaxante, ler uma revista, jornal ou um livro.

Evitar ver televisão no quarto

Evitar ainda dormir no sofá e depois ir para a cama mais tarde.

Evitar atividades estimulantes antes de dormir

Exercício físico vigoroso, discutir, rever as finanças pessoais, ou discutir questões stressantes com um cônjuge ou parceiro ou ruminar sobre estas questões antes de dormir, são tudo situações que devem ser evitadas.

A melhor altura para fazer o exercício físico diário para ajudar o sono é ao fim da tarde.

Manter o quarto escuro

O quarto deve ser silencioso e estar a uma temperatura confortável

Não forçar o adormecer

Quando não se consegue adormecer entre 15 a 30 minutos depois do deitar, o melhor é levantar e fazer uma atividade relaxante até adormecer. O mais importante é evitar olhar para o relógio e a preocupação com as consequências percetíveis de não dormir o suficiente.

Conclusão

A insónia é muito comum nos idosos e costuma estar associada a outros fatores como demorar mais de 30 minutos a adormecer, permanecer a dormir menos de 6 horas, acordar mais de 3 vezes por noite, ou experimentar um sono cronicamente não restaurativo ou de má qualidade.

Aproximadamente um terço dos adultos relatam alguma dificuldade em adormecer ou permanecer a dormir durante pelo menos um ano.

A insónia ocorre mais frequentemente nas mulheres, nos idosos, trabalhadores por turnos e pessoas com doenças físicas e psiquiátricas.

Pode não ser fácil vencer a insónia, mas há coisas que se podem fazer para melhorar as hipóteses de ter uma melhor noite de sono.

Coisas simples como fazer exercício para cansar o corpo durante o dia, cortar no consumo de cafeína, deixar de fumar, não beber álcool ao final do dia e ir para a cama à mesma hora todas as noites, podem ajudar muito e fazer a diferença.

O mais importante é eliminar ou atenuar as causas da insónia para que o idoso possa ter uma noite o mais confortável possível, repondo o seu bem-estar.

Juntos Cuidamos Melhor!

Referências:

Sleep Foundation

*Atenção: O Blog Mais que Cuidar é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre temas relacionados com saúde e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde.

Central de Atendimento

como podemos ajudar?
Apoio via Whattsapp
Entre em contato
através do Whattsapp.
ABRIR WHATTSAPP
Apoio por Telefone
Contacte-nos todos os dias
úteis entre 10h às 19h e aos
Sábados das 10h às 13h
Lojas de Ortopedia e Geriatria em Portugal
Procuramos estar cada vez mais perto de si.
Venha conhecer-nos! Juntos Cuidamos Melhor.
Porto
Porto
Estrada da Circunvalação 14688
4450-097 Matosinhos
T. 224 054 146
Lisboa
Lisboa
Rua Manuel Martins da Hora, 2
1750-172 Lisboa
T. 210 402 220
Oeiras
Oeiras
Rua Luís Tavares 17
2740-315 Porto Salvo
T. 219 362 035
Almada
Almada
Rua do Regil 21A
2805-234
Almada
T. 210 402 248
Faro
Faro
Estrada Municipal 514
Zona Ind. da Barracha, Lote 11
8150-017 São Brás de Alportel
T. 289 824 225