Central de Atendimento

Como podemos ajudar?
Precisa de ajuda?

Confusão mental no idoso: quais as causas e como tratar?

confusão mental no idoso: quais as causas e como tratar?

A confusão mental é um problema comum em pessoas com mais de 65 anos de idade. O declínio da capacidade cognitiva normal pode ser agudo, ou pode ser crónico e progressivo.

Nas pessoas idosas, a confusão é geralmente um sintoma de delírio ou demência, embora também possa ser devida a uma depressão ou psicose grave.

Fazer a gestão da confusão mental no idoso é um desafio devido a vários fatores que são característicos da idade.

Estes fatores incluem viver sozinho, falta de história detalhada sobre a situação de saúde, deficiência cognitiva, comorbilidades complexas, constrangimentos relacionados com cada situação específica e avaliação adequada.

O envelhecimento biológico caracteriza-se pela perda progressiva da adaptabilidade, com diminuição das reservas funcionais e diminuição da capacidade de recuperação de uma lesão fisiológica.

Ao mesmo tempo, o envelhecimento pode levar a uma multiplicidade de doenças e à administração de vários medicamentos ao mesmo tempo, juntamente com mudanças no ambiente físico e pessoal do idoso.

A incidência de um estado de confusão aguda, também designado por delírio, aumenta progressivamente após a quarta década de vida.

Estima-se que 15 a 26% dos doentes idosos com um estado de confusão aguda morrem, geralmente como resultado do processo patológico responsável pelo delírio.

Os doentes idosos com confusão mental aguda podem ter uma demência subjacente ou deficiência cognitiva.

Na realidade, a demência é um fator de risco conhecido para desencadear o delírio. Até 22% dos idosos com demência residentes em lares têm delírios coexistentes.

20% dos pacientes com 65 anos são hospitalizados por sintomas de delírio. A prevalência relatada de delírios entre pacientes idosos hospitalizados varia de 14% a 56%. A sua prevalência em lares de idosos é de 58%.

A demência é a síndrome mental orgânica mais prevalente nas pessoas idosas. O risco de doença demencial aumenta com a idade.

A prevalência de demência aumenta de 10 a 15% com a idade de 75 anos para entre 25 e 35% em pessoas com 85 anos ou mais.5 Se a tendência atual da população continuar, espera-se que a prevalência de demência grave triplique até ao ano 2040.

O que é a confusão mental no idoso?

O estado de confusão mental nos idosos caracteriza-se por uma perturbação da consciência e uma mudança na cognição que se desenvolve ao longo de um determinado período de tempo. A perturbação tem uma tendência a flutuar ao longo do dia.

É uma situação comum nos idosos que tem múltiplas causas, mas tende a causar angústia aos idosos e aos seus familiares.

Por norma o estado de confusão mental não é frequentemente reconhecido de forma óbvia e é necessário um elevado número de sinais e pistas.

O estado é diagnosticado com base em aspetos clínicos, as características que o idoso apresenta, a sua história médica passada, e os défices cognitivos pré-existentes.

Estes sinais podem apontar o caminho para quaisquer outros testes de diagnóstico que possam ser indicados.

O Método de Avaliação de Confusão é uma das ferramentas mais utilizadas, mas depende da compreensão do idoso, da sua falta de atenção, e necessita de um profissional de saúde treinado no método. Testes de alerta e atenção também podem ser usados.

Como a confusão mental e a demência podem coexistir. Para diferenciar os dois estados, o médico deve prestar muita atenção à cronologia dos acontecimentos, bem como ao estado funcional e às condições gerais de saúde ou a presença de outras doenças no idoso.

A família desempenha um papel fundamental no diagnóstico, fornecendo um historial detalhado de alterações no estado mental do idoso. No entanto, os membros da família, terão interpretações individuais da gravidade e do impacto dos sintomas cognitivos do idoso.

A avaliação física deve incluir uma avaliação do nível de excitação e orientação. Os idosos que não estão atentos ou que têm uma consciência mais confusa têm mais probabilidades de ter confusão mental do que de demência.

As alterações neurológicas focais são sinais de uma perturbação neurológica subjacente.

O médico fará um exame completo que pode incluir:

  • Exame neurológico
  • Nível de consciência
  • Evidência de febre
  • Provas de abuso ou abstinência do consumo de álcool
  • Função cognitiva
  • Análises ao sangue

Os testes cognitivos podem precisar de ser repetidos ao longo do tempo.

Causas

As causas para o desenvolvimento de um estado de confusão num idoso são muito variáveis e podem ter muitas origens:

  • Desequilíbrio de eletrólitos no sangue
  • Perturbações no metabolismo
  • Nível de oxigénio no sangue
  • Nível elevado de dióxido de carbono no sangue
  • Hipoglicemia ou hiperglicemia
  • Níveis elevados de ureia no sangue
  • Infeções
  • Diminuição do débito cardíaco
  • Desidratação
  • Perda aguda de sangue
  • Enfarte agudo do miocárdio
  • Insuficiência cardíaca congestiva
  • AVC
  • Medicamentos
  • Intoxicação por álcool ou outras substâncias
  • Hipotermia ou hipertermia
  • Psicoses agudas
  • Transferência para ambientes desconhecidos
  • Outras causas individuais
  • Impacto fecal
  • Retenção urinária

Tratamento

Assim que é identificada a causa ou causas para a confusão mental, essas causas subjacentes devem ser tratadas primeiro.

Se o problema for causado por um ou mais medicamentos específicos, o idoso deve ser mudado para outros medicamentos que são menos suscetíveis de causar confusão.

Se a causa é a depressão, esta deve ser tratada de forma apropriada. O tratamento da confusão mental melhora o funcionamento cognitivo mesmo em pacientes com demência subjacente.

Sempre que possível, retirar ou reduzir qualquer droga que cause confusão.

Corrigir desarranjos bioquímicos no organismo.

Se houver uma elevada probabilidade de infeção esta deve ser tratada imediatamente.

O idoso deve ser aliviado de sintomas agravantes como a dor, retenção urinária, obstipação, sede ou outros.

Evitar doses elevadas de tranquilizantes sempre que possível.

Medidas preventivas para a confusão mental nos idosos

Apesar da confusão mental ser comum nos idosos e ser uma consequência normal do envelhecimento, existem algumas estratégias que podem ajudar a prevenir situações mais graves desta condição:

  • Consumo adequado de líquidos
  • Nutrição adequada
  • Mobilização adequada e exercício físico
  • Medicação adequada
  • Verificar a adequação das combinações e dosagens dos medicamentos
  • Evitar situações devido à rápida cessação de substâncias das quais o idoso possa estar dependente
  • Monitorizar de perto o idoso no período após uma cirurgia
  • Evitar a estimulação sensorial excessiva
  • Bons níveis de iluminação em casa
  • Orientação repetida com relógios, calendários, jornais e objetos familiares
  • Ambiente com segurança
  • Ajudas sensoriais quando necessário com óculos e aparelhos auditivos
  • Prevenção de restrições físicas, emocionais ou químicas
  • Distrações mínimas, ambiente calmo
  • Aproximação e manuseamento do idoso de forma suave
  • Evitar transferências múltiplas de quarto ou espaço
  • Manutenção e restauração de padrões normais de sono

A sedação do idoso deve ser evitada se for possível. Provocam o agravamento da confusão e aumentam o risco de quedas.

No entanto, poderá ser necessário nas seguintes circunstâncias:

  • A fim de realizar tratamentos essenciais
  • Para evitar que os idosos se ponham em perigo a si próprios ou a outros
  • Para aliviar a angústia em doentes altamente agitados ou alucinados
  • Rever a medicação a cada 24 horas
  • Começar com doses baixas
  • Interromper a sedação o mais cedo possível
  • Evitar a mistura de medicamentos 

O ato de vaguear por parte do idoso não é uma indicação exclusiva de tratamento medicamentoso. O tratamento deve ser multidisciplinar.

Comunicar com o idoso confuso

Quando o idoso está confuso mentalmente poderá não entender o que lhe é comunicado. É necessário ter alguns cuidados de comunicação:

  • Dirigir-se diretamente ao doente, mesmo que a sua capacidade cognitiva seja diminuída
  • Chamar a atenção do idoso, sentando-se em frente e ao mesmo nível mantendo o contacto visual
  • Falar distintamente e a um ritmo natural de velocidade
  • Resistir à tentação de falar em voz alta
  • Ajudar a orientar o idoso.
  • Explicar quem é e o que vai fazer
  • Se possível, dirigir-se ao idoso em ambientes familiares ou com um membro da família
  • Apoiar e tranquilizar o idoso
  • Reconhecer quando as respostas que o idoso dá estão corretas

Conclusão

A confusão mental é um problema comum em pessoas com mais de 65 anos de idade.

O declínio da capacidade cognitiva normal pode ser agudo, ou pode ser crónico e progressivo.

Nas pessoas idosas, a confusão é mais suscetível de ser um sintoma de delírio ou demência, embora também possa estar associada a psicoses e distúrbios afetivos e especificamente a depressão grave.

O termo confusão é vagamente utilizado e o médico deverá analisar a situação para encontrar uma terminologia mais específica fazendo o diagnóstico adequado da situação de confusão mental.

A confusão aguda é designada por delírio. Uma vulnerabilidade mais evidente no idoso leva ao delírio, que é um dano cerebral agudo secundário e está associado a uma elevada mortalidade.

O delírio é comum e é muitas vezes mal identificado e mal gerido nas pessoas idosas. O diagnóstico precoce e a gestão qualificada melhoram o prognóstico.

A confusão no paciente idoso é geralmente um sintoma de delírio ou demência, mas também pode ocorrer em grandes depressões e psicoses.

Até que outra causa seja identificada, o idoso confuso deve ser assumido como tendo delírio, o qual é frequentemente reversível com o tratamento da desordem subjacente.

As causas da confusão mental no idoso incluem perturbações metabólicas, infeções e medicações.

A disfunção da tiroide, deficiências vitamínicas e hidrocefalia de pressão normal são algumas causas potencialmente reversíveis de demência.

As principais causas irreversíveis incluem a doença de Alzheimer, danos do sistema nervoso central e infeção pelo vírus da imunodeficiência humana.

Todas as causas de confusão, exceto as mais raras, podem normalmente ser identificadas com base no historial médico completo do idoso, revisão de medicamentos, exame físico, avaliação do estado mental e avaliação laboratorial com reavaliação ao longo do tempo.

Juntos Cuidamos Melhor!

Referências:

  • Geriatric Medicine Journal
  • National Institute on Aging

*Atenção: O Blog Mais que Cuidar é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre temas relacionados com saúde e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde.

Central de Atendimento

como podemos ajudar?
Apoio via Whattsapp
Entre em contato
através do Whattsapp.
ABRIR WHATTSAPP
Apoio por Telefone
Contacte-nos todos os dias
úteis entre 10h às 19h e aos
Sábados das 10h às 13h
Lojas de Ortopedia e Geriatria em Portugal
Procuramos estar cada vez mais perto de si.
Venha conhecer-nos! Juntos Cuidamos Melhor.
Porto
Porto
Estrada da Circunvalação 14688
4450-097 Matosinhos
T. 224 054 146
Lisboa
Lisboa
Rua Manuel Martins da Hora, 2
1750-172 Lisboa
T. 210 402 220
Almada
Almada
Rua do Regil 21A
2805-234
Almada
T. 210 402 248
Faro
Faro
Estrada Municipal 514
Zona Ind. da Barracha, Lote 11
8150-017 São Brás de Alportel
T. 289 824 225