Central de Atendimento

Como podemos ajudar?
Precisa de ajuda?

Como lidar com a paranoia nos idosos?

Como lidar com a paranoia nos idosos?

A paranoia nos idosos é muitas vezes uma preocupação para familiares e cuidadores.

Estima-se que cerca de 70% dos idosos com Alzheimer terão crenças paranoicas, e um em cada quatro irá vivenciar alguma forma de psicose.

Os cuidadores que trabalham com idosos paranoicos podem ter dificuldade em atenuar os medos desses idosos, e muitos cuidadores sentem-se perdidos quanto à forma de os ajudar.

Com o envelhecimento é expectável que surjam alguns comportamentos mais difíceis nos idosos. Em casos de demência, a paranoia pode ser uma manifestação de comportamento frustrante e preocupante para os familiares e cuidadores.

O comportamento paranoico nos idosos pode trazer outras questões também importantes como a segurança e conforto do próprio idoso e dos que o rodeiam.

Pode também ser uma boa ajuda para lidar com este tipo de comportamento, perceber primeiro porque é que se desenvolvem estas alterações de comportamento e outros sintomas associados.

Muitas pessoas não consultam o médico nestas situações porque assumem que este tipo de comportamento faz parte do envelhecimento, mas isso não é verdade. Por outro lado, pode ser o próprio idoso que tem resistência em ir ao médico.

Mas é importante prestar atenção aos sinais e procurar ajuda médica sempre que necessário, porque muitas causas de paranoia ou outros comportamentos alterados em pessoas mais velhas podem ser tratados.

O que é a paranóia?

A paranoia representa geralmente uma crença infundada de um indivíduo de que outros pretendem fazer-lhes mal.

Por exemplo, um idoso com paranoia pode acreditar que um cuidador os está a roubar ou que os amigos ou familiares lhes deseja mal.

A paranoia pode ser extremamente prejudicial para os mais velhos se não for tratada. Os idosos que acreditam que estão a ser ameaçados ou que sentem que vivem num ambiente social pouco amigável têm mais probabilidades de experimentar ansiedade, stress elevado e agitação.

Os pensamentos angustiantes de um sénior paranoico podem até levá-los a chicotear fisicamente os prestadores de cuidados ou a alienar membros da família.

Qual é a diferença entre a paranoia e as alucinações?

Muitas pessoas usam frequentemente incorretamente os termos paranoia, delírios, e alucinações de forma intercambiável quando se referem a psicose.

A principal diferença entre paranoia e alucinações é que as alucinações envolvem uma experiência sensorial, enquanto que a paranoia afeta os pensamentos e crenças de uma pessoa.

Os eventos externos não causam necessariamente alucinações. Por outro lado, a paranoia está relacionada com a perceção que uma pessoa tem do seu ambiente.

Por outro lado, uma ilusão é simplesmente uma crença que não é verdadeira. Em muitos casos, uma pessoa pode experimentar simultaneamente paranoia, delírios e alucinações. Isto é especialmente verdade em idosos com Alzheimer ou outras formas de demência.

Sintomas da paranoia

Os sintomas paranoicos, como por exemplo, acreditar que alguém está a perseguir, quer mal, está a roubar as suas coisas ou está em casa à noite sem ser convidado ou pertencer à família, enquadram-se numa categoria de sintomas mentais tecnicamente designados como psicose.

Os sintomas de psicose podem incluir:

  • Delírios ou acreditar em coisas que não são verdadeiras ou reais
  • Alucinações, como ver ou ouvir coisas que não existem
  • Pensamentos ou discurso desorganizados, como dizer ou pensar coisas que parecem ilógicas ou bizarras para os outros

A psicose é pouco comum nas pessoas mais jovens, mas torna-se muito mais comum à medida que as pessoas envelhecem.

Qualquer um destes sintomas pode surgir quando o cérebro das pessoas não está a funcionar corretamente por alguma razão.

Causas da paranoia

Como a paranoia não é uma caraterística normal do envelhecimento, é fundamental procurar ajuda médica para perceber as causas do comportamento, já que pode ser um sintoma de outras questões de saúde que podem ter de ser abordadas para o bem da saúde geral dos idosos.

Alguns estudos indicam que a psicose tardia, portanto a que acontece já com a idade avançada, se deve a causas muito diversificadas.

Estas são algumas das causas conhecidas:

Delírio

Responsável por 10% dos casos de paranoia. O delírio é uma doença muito comum e grave nos idosos, e frequentemente provocada pelo stress com uma doença grave, cirurgia ou hospitalização.

Os idosos com delírio geralmente ficam mais confusos durante um breve período de tempo, por exemplo horas ou semanas, mas outros ficam calmos e sonolentos, enquanto outros mostram sinais de agitação e desorientação.

Medicamentos, álcool ou toxinas

Os efeitos secundários dos medicamentos que muitos idosos tomam, podem causar delírios, alucinações ou outras formas de psicose. É importante ter em atenção os medicamentos que podem afetar a memória e o pensamento.

O abuso ou a abstinência de álcool ou outras substâncias toxicas também podem causar sintomas de psicose, o que pode muitas vezes levar a pensamentos paranoicos.

Doenças

Muitos problemas de saúde física podem ter consequências sobre as funções mentais.  Por exemplo, desidratação grave, infeções e disfunção renal podem causar sintomas semelhantes aos da demência.

Outros problemas de saúde incluem níveis anormais de sódio, potássio, cálcio ou magnésio no sangue, baixos níveis de vitamina B12 ou ácido fólico, problemas de tiroide, disfunção hepática ou renal grave, infeções e doenças neurológicas.

Os danos cerebrais provocados por pequenos AVC também podem causar sintomas de psicose.

As infeções do trato urinário podem causar psicose. Se os delírios paranoicos parecem ter aparecido de repente e do nada, podem ser causados por outras doenças ou problemas de saúde.

Depressão

Em alguns casos, pessoas idosas que sofrem de depressão ou doença bipolar, podem também desenvolver paranoia.

Nestes casos, a paranoia tende a manifestar-se como uma crença intensa de que o idoso, ele próprio, merece castigo ou é uma pessoa má. Assim, nestes casos, a paranoia é frequentemente autodirigida, em vez de ser dirigida a outros.

Cerca de 15% das pessoas com depressão grave podem experimentar sintomas psicóticos, sendo as ilusões de culpa ou punição merecida especialmente comuns.

Demência

É responsável por cerca de 40% dos casos de psicose entre os idosos. As ilusões são extremamente comuns na demência, especialmente as ilusões de roubo, infidelidade do cônjuge, abandono e perseguição.

As alucinações, especialmente as alucinações visuais, são também comuns, especialmente em alguns tipos específicos de demência. A paranoia pode chegar subtilmente, à medida que a demência se desenvolve.

Outras doenças

A esquizofrenia tem muitos sintomas que se sobrepõem aos da demência, delírio ou outras condições que afetam a cognição.

O médico será a pessoa indicada para diagnosticar um caso de demência ou esquizofrenia ou desordem ilusória. A esquizofrenia afeta cerca de 0,5% das pessoas com mais de 65 anos de idade.

Muitas destas pessoas foram diagnosticadas mais cedo na vida, mas algumas pessoas podem desenvolver a condição mais tarde e já numa idade mais avançada.

Também é muito comum os idosos terem problemas de visão e audição, o que pode desencadear ou agravar delírios e alucinações.

A desordem ilusória está no espectro da esquizofrenia e é muito rara, embora possa ser uma das causas de delírios nos idosos.

A maioria dos doentes com transtorno ilusório foram diagnosticados na casa dos 20 ou 30 anos, embora seja possível que o transtorno se instale mais tarde na vida.

Para combater a desordem ilusória, são geralmente usados medicamentos antipsicóticos.

Assim, quando os idosos mostram sinais de delírios, alucinações e pensamentos paranoicos, há quase sempre uma causa subjacente relacionada com a saúde.

Como verificar os sinais de paranoia

Eventualmente será necessário recorrer a ajuda médica, mas há pequenos sinais ou caraterísticas que podem ser observados e que podem indicar o estado de funcionamento do idoso.

A capacidade funcional do idoso pode ser verificada em diferentes aspetos:

Capacidade de gerir as tarefas do dia a dia

A capacidade de gerir as atividades da vida diária, tais como caminhar, vestir, alimentar e ir à casa de banho, bem como as atividades instrumentais da vida diária, tais como gerir finanças, transportes, preparação de refeições, manutenção da casa, entre outras.

A maior ou menor capacidade do idoso para gerir estas tarefas vai determinar um aspeto da sua vida funcional.

Questões de segurança

Nesta faceta importa verificar sinais de vulnerabilidade financeira ou exploração, condução arriscada, deixar o fogão ligado, vaguear ou sinais de abuso nos idosos.

Saúde física

A condição da saúde física do idoso verifica-se através de diferentes parâmetros, que incluem a perda de peso, declínio de força ou capacidades físicas, quedas, visitas frequentes às urgências hospitalares e queixas de dor.

Estas condições podem ser perturbadas quando há doença ou sinais de paranoia:

Estado de humor

Sinais comuns de depressão, especialmente tristeza ou perda de interesse em atividades, sinais de solidão ou isolamento, bem como outros sinais de problemas de memória e de cognição, podem ser uma boa forma de identificar a possível presença de alterações e consequentemente paranoia.

Gestão de medicamentos

Dificuldade em tomar os medicamentos como indicado, possíveis efeitos secundários dos medicamentos e identificar os medicamentos que as pessoas mais velhas devem evitar ou utilizar com precaução.

Todos estes aspetos podem dar indicações sobre problemas graves de saúde ou de segurança do idoso.

Ao se identificarem as questões específicas ou áreas problemáticas na saúde do idoso, mais facilmente se pode trabalhar na resolução dos problemas, garantindo não só uma maior segurança como um melhor bem-estar para os idosos.

Uma vez identificados os problemas de segurança e os sinais de problemas de saúde subjacentes, deverá procurar-se ajuda médica.

É fundamental transmitir todas as preocupações ao médico assistente. O médico precisa de saber sobre os sintomas e problemas e pode também ser capaz de persuadir o idoso a aceitar alguma ajuda.

Por outro lado, também pode ser benéfico obter ajuda de um serviço de apoio ao domicílio ou hospitalização domiciliária.

Estes profissionais podem ajudar, entre outras coisas, com conversas difíceis com os idosos, ajudar a comunicar com médicos e gerir os recursos disponíveis para resolver quaisquer problemas de segurança ou de saúde do idoso.

Este tipo de apoio também pode contribuir para evitar a autonegligência, uma pessoa idosa vive de uma forma que põe em risco a sua saúde, segurança ou bem-estar.

É bastante frequente que os idosos com problemas de memória ou de cognição sofram de autonegligência.

Como lidar com a paranoia nos idosos

Como as causas da paranoia podem ser variadas, pode ser difícil numa primeira instância reconhecer o problema e depois lidar com ele. Devido a isto, é essencial procurar em primeiro lugar ajuda médica, para que se possa encontrar o tratamento mais adequado.

Mas é também necessário ter conhecimento de algumas estratégias para lidar com um idoso que sofra de paranoia.

Estas são algumas das estratégias que se podem utilizar:

Fazer referências na primeira pessoa

Utilizar o mais possível a referência à pessoa que está a falar e não ao idoso com paranoia, quando se fala com o idoso.

Assim, utilizar frases deste género: “reparei que tens estado a telefonar às pessoas durante a noite”, ou “reparei que por vezes tens dificuldades com as palavras”.

De seguida chamar a tenção para a preocupação e a necessidade de consultar um médico para avaliar estas questões, porque podem ter origem em problemas de saúde que podem ser tratados.

Enquadrar quaisquer sugestões como uma forma de ajudar o idoso a alcançar os seus objetivos.

Na maior parte dos casos, o que os idosos mais querem é viver em casa o máximo de tempo possível, manter boas funções cerebrais e físicas e permanecerem tão independentes quanto possível.

Evitar confiar na lógica

A lógica nunca funciona bem quando se trata de assuntos emocionalmente fortes. E não funciona especialmente se as pessoas estiverem a sentir quaisquer dificuldades com a memória ou o processamento mental.

Neste sentido, não é de esperar que o idoso use a lógica e o mais provável é que não confie em argumentos lógicos para a convencer.

Ter empatia

Desenvolver a capacidade de imaginar como esta situação deve ser confusa e assustadora para os idosos.

Eles não têm a certeza em quem confiar e têm que se esforçar para distinguir a realidade dos seus pensamentos paranoicos. Na verdade, os pensamentos paranoicos nos idosos, por vezes parecem ter-se tornado na sua realidade.

Mesmo que seja difícil de fazer, é importante ter empatia para com os idosos, já que a paranoia não foi criada por eles para chamar a atenção, apenas se desenvolveu por doença.

Ter conhecimento dos pertences dos idosos

A paranoia nos idosos gira frequentemente em torno dos seus pertences. Quando mudam um objeto de lugar, podem acusar um familiar, os cuidadores ou outras pessoas que têm acesso à casa, de roubo.

Se possível, fazer uma lista com todos os pertence e onde estão, especialmente se tiverem sido movidos de livre vontade por eles anteriormente. Por exemplo, tomar nota de doações de joias, livros ou outras lembranças a terceiros.

É especialmente útil se for possível pedir que escrevam estas coisas durante momentos de lucidez para que vejam a sua própria caligrafia mais tarde quando já não se lembram.

No entanto, mostrar a lista e dizer a verdade nem sempre convencerá os idosos da verdade. Mas, pode ajudar a determinar se as acusações são ou não verdadeiras ou se estão a debater-se com pensamentos paranoicos.

Validar as ilusões

Pode ser melhor evitar dizer aos idosos que estão errados sobre as suas ilusões paranoicas. A razão principal para isto é que ao invalidar as suas ilusões pode quebrar-se a confiança que sentem pelo familiar ou cuidador.

Também não há nenhum benefício real em aplicar a razão ou lógica aos delírios dos idosos. Nas suas mentes, as suas crenças fazem todo o sentido. Invalidá-las pode levar a mais pânico.

Em vez de dizer que estão certos ou errados, é melhor dizer que é assustador ter estranhos em casa, ou que se os pertences foram roubados, é natural estarem zangados.

Não levar as coisas a peito

É sempre possível que o familiar ou cuidador se torne o alvo da paranoia dos idosos. O melhor é não levar isto a peito e não esquecer que algo ou uma doença está a afetar a forma como pensam e estão a esforçar-se ao máximo para darem sentido à sua confusão.

Se houver dificuldades para lidar com as acusações dos idosos, poderá ser mais produtivo considerar a retirada pessoal da situação.

Noutras situações, uma distração pode quebrar a convicção dos idosos de que as pessoas ao seu redor fizeram algo para os prejudicar.

Procurar ajuda

A paranoia nos idosos é uma das coisas mais difíceis de se lidar. A paranoia afeta tanto o humor como a função cognitiva, o que pode tornar difícil o reconhecimento das pessoas ao redor.

Procurar ajuda é uma das melhores soluções que se podem encontrar numa situação como esta.

Possíveis tratamentos

É importante lembrar que a maioria dos casos de paranoia na velhice são tratáveis. O primeiro passo na gestão dos sintomas de paranoia é ir a uma consulta com o médico de família.

Dependendo da frequência e gravidade do comportamento paranoico de um idoso, um médico pode explorar várias opções de tratamento diferentes.

Por exemplo, um terapeuta pode ajudar o idoso a compreender melhor as suas emoções subjacentes, e as técnicas de cuidados paliativos podem aliviar alguns dos desconfortos de Alzheimer ou outras formas de demência.

Outra técnica, conhecida como redireccionamento, envolve introduzir uma terceira pessoa numa situação para distrair o indivíduo e ajudar a aliviar a tensão.

Se a paranoia de um idoso não melhorar, o médico pode sugerir medicação como uma opção de tratamento adicional.

Um médico pode prescrever antidepressivos para ajudar a tratar sintomas de depressão que muitas vezes acompanham a demência.

Em casos graves, podem prescrever antipsicóticos. No entanto, os antipsicóticos são utilizados com moderação devido ao seu potencial para efeitos secundários adversos.

Deve-se procurar cuidados médicos para a paranoia dos idosos se se notar quaisquer alterações significativas na saúde ou no comportamento da pessoa idosa.

É crucial contactar profissionais de saúde se a paranoia do idoso estiver a afetar a sua capacidade de completar as atividades da vida diária ou se se tornar um perigo para si próprio ou para os outros.

Conclusão

Quando uma pessoa idosa desenvolve paranoia, esta pode ser alarmante para todos. A paranoia pode causar medo crónico, frustração, ansiedade e solidão.

Não se deve encarar esta condição como uma parte natural do envelhecimento. O mais aconselhável é consultar um médico que irá determinar a causa do problema e possíveis tratamentos.

Se a paranoia passar despercebida e não for tratada, os sintomas podem intensificar-se e levar a comportamentos e ações mais perturbadores.

Quando uma pessoa é paranoica, pode ter suspeitas em relação a pessoas próximas. Podem até acusar os outros de os tentar roubar ou prejudicar.

As pessoas que têm paranoia e demência por vezes sofrem de ilusões paranoicas muito fortes. Os delírios são bastante reais para eles, não estão a inventar coisas para chamar a atenção.

Alguém com demência está simplesmente a tentar dar sentido ao mundo à sua volta enquanto se debate com uma função cerebral em declínio.

Lidar com idosos que sofrem com paranoia pode ser stressante e assustador. A paranoia tem uma tendência para tornar as pessoas praticamente irreconhecíveis e lidar com a paranoia pode ser difícil.

Estar consciente do diagnóstico, documentar rotineiramente o comportamento e a saúde, e comunicar proactivamente com a equipa médica, podem ajuda a gerir melhor a paranoia do idoso.

Mas gerir todas as facetas da doença pode ser stressante, avassalador e exaustivo. Para alguns cuidadores e familiares, a tarefa pode parecer intransponível. Nestes casos, um serviço de apoio com profissionais de saúde especializados pode fazer a diferença.

Uma das primeiras coisas a fazer é levar o idoso ao médico assim que possível se a paranoia for aguda.

Muitas causas médicas e psiquiátricas da paranoia podem ser facilmente tratadas, focando na condição médica ou doença psiquiátrica subjacente. Por exemplo, a paranoia causada pela demência pode muitas vezes ser tratada com medicamentos.

É também importante tranquilizar e validar os sentimentos de paranoia de um idoso, e não minimizar ou ignorar a situação.

Fornecer estrutura ao idoso através da construção de rotinas e limitar o excesso de estimulação, também pode ser útil para atenuar os sintomas indesejáveis da paranoia.

Mas quando a situação é demasiado grave ou complexa, implementar uma nova rotina pode não ser possível. A ajuda de um prestador de cuidados profissional pode aliviar o fardo e proporcionar uma qualidade de cuidados mais elevada.

Situações que envolvem a paranoia nos idosos muito difíceis de gerir e normalmente leva tempo e persistência para que as famílias recorram a ajuda externa. Mas é importante garantir o bem-estar e a segurança quer dos familiares quer dos idosos.

Juntos Cuidamos Melhor!

Na Mais que Cuidar encontra uma gama completa de produtos e serviços  que dão uma ajuda importante no apoio e no conforto, prestando cuidados de saúde ao domicilio (apoio domiciliário, fisioterapia, enfermagem) e produtos de apoio para comprar ou alugar.

Os nossos profissionais de saúde e mobilidade estão sempre disponíveis para ajudar a encontrar as melhores soluções para a sua situação específica. Temos ao seu dispor uma linha de apoio de enfermagem 24h/dia 365 dias do ano.

Na Mais que Cuidar poderá contar também com o apoio do médico fisiatra através da consulta ao domicílio ou da teleconsulta.

Referências:

  • Associação Alzheimer Portugal
  • Better Health While Aging
  • A Place for Mom

*Atenção: O Blog Mais que Cuidar é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre temas relacionados com saúde e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde.

Lojas de Ortopedia e Geriatria em Portugal
Procuramos estar cada vez mais perto de si.
Venha conhecer-nos! Juntos Cuidamos Melhor.
Porto
Porto
Estrada da Circunvalação 14688
4450-097 Matosinhos
T. 224 054 146
Chamada para rede fixa nacional
Lisboa
Lisboa
Rua Manuel Martins da Hora, 2
1750-172 Lisboa
T. 210 402 220
Chamada para rede fixa nacional
Oeiras
Oeiras
Rua Luís Tavares 17
2740-315 Porto Salvo
T. 219 362 035
Chamada para rede fixa nacional
Almada
Almada
Rua do Regil 21A
2805-234
Almada
T. 210 402 248
Chamada para rede fixa nacional
Faro
Faro
Estrada Municipal 514
Zona Ind. da Barracha, Lote 11
8150-017 São Brás de Alportel
T. 289 824 225
Chamada para rede fixa nacional