Central de Atendimento

Como podemos ajudar?
Precisa de ajuda?

Pielonefrite: quais os sintomas?

Sintomas e tratamento da pielonefrite

A infeção urinária é uma das infeções bacterianas mais frequentes. Uma em cada cinco mulheres adultas têm pelo menos uma infeção destas ao longo da vida.

As infeções urinárias são mais comuns na mulher, devido ao facto da uretra feminina ser mais curta e a sua abertura mais próxima da região anal, o que facilita a passagem dos microrganismos para a bexiga.

Algumas pessoas são afetadas por várias infeções urinárias ao longo da vida. Quando existem duas infeções urinárias em 6 meses ou três infeções urinárias num ano, passa a ser considerada uma infeção urinária de repetição, que deverá ter acompanhamento médico.

Estas infeções quando não são tratadas de forma adequada podem desencadear uma situação mais grave, como é o caso da pielonefrite.

Esta infeção grave dos rins, por seu turno, pode evoluir para uma situação mais grave e provocar insuficiência renal crónica, que em Portugal tem uma elevada incidência na população com tendência a aumentar nos próximos anos.

Por todas estas razões, é essencial que as ocorrências de infeção urinária sejam corretamente diagnosticadas, tratadas e prevenidas, fazendo uso de forma correta dos antibióticos, de modo a evitar o desenvolvimento de pielonefrites ou outras doenças graves dos rins.

O que é a pielonefrite?

A pielonefrite é uma infeção grave dos rins, que acontece de forma súbita, provocando o inchaço dos órgãos. Esta infeção pode ser tão grave que pode causar danos irreparáveis nos rins, chegando a levar à morte em alguns casos.

A infeção ocorre porque bactérias que estão nas vias urinárias e na bexiga, chegam aos rins acabando por gerar uma inflamação.

É importante que a infeção seja detetada e tratada o mais rápido possível para evitar o dano nos rins e consequente perda de função.

Existem 2 tipos de pielonefrite:

Pielonefrite aguda

Ocorre quando a infeção se desenvolve de forma muito intensa e subitamente. Pode comprometer o funcionamento do rim, mas se tratada adequadamente pode ser reversível. Geralmente acaba por desaparecer ao fim de alguns dias ou semanas.

Pielonefrite crónica

As infeções bacterianas nos rins são recorrentes e persistentes. Frequentemente, é resultado de infeção anterior que não foi bem tratada, o que acaba por causar uma inflamação prolongada e progressiva nos rins.

 Podem levar a insuficiência ou mesmo falência renal. Atinge com mais frequência as crianças e as pessoas que têm tendência a ter bloqueios urinários em que não conseguem fazer xixi.

Quais são as causas?

A causa principal é o alastramento das bactérias que entram pela uretra e fazem o percurso até aos rins, passando pela bexiga causando infeção.

Embora a infeção seja mais frequentemente desencadeada por bactérias como a E.coli, qualquer outra infeção grave que transite na corrente sanguínea pode atingir os rins e provocar pielonefrite.

Mas, pessoas que têm hipertensão arterial, diabetes ou homens com problemas na próstata, correm um maior risco de desenvolver a doença.

Existem também alguns fatores de risco:

Algumas deformações no trato urinário que afetem a sua forma ou tamanho que levem a uma interrupção do fluxo normal de urina, podem facilitar o aparecimento da pielonefrite.

As infeções urinárias ocorrem mais frequentemente nas mulheres devido à proximidade entre o ânus e a uretra, o que favorece a passagem de bactérias e a ocorrência de infeções. Levando a que sejam mais propensas a infeções renais e um risco maior para a ocorrência de pielonefrite.

Outras pessoas que correm maior risco incluem:

  • Qualquer pessoa com cálculos renais crónicos ou outras condições renais ou problemas na bexiga
  • adultos idosos
  • Pessoas com sistemas imunitários enfraquecidos, como pessoas com diabetes, VIH/SIDA ou cancro
  • Pessoas com refluxo de urina, em que pequenas quantidades de urina voltam da bexiga para os rins
  • Pessoas com próstata aumentada

Outros fatores que podem aumentar o risco são:

  • Utilização de cateteres
  • Exame cistoscopia
  • Cirurgia no trato urinário
  • Alguns medicamentos
  • Danos nos nervos ou na medula espinal

Qual é o tratamento?

O tratamento deve ser iniciado o mais rápido possível para que se possa evitar lesões nos rins e que as bactérias que causaram a infeção, se espalhem pelo corpo através da corrente sanguínea.

Nos casos mais leves da doença, o tratamento pode ser feito em regime de ambulatório, sem necessidade de internamento.

O tratamento é geralmente feito com medicamentos, mais concretamente antibióticos, podendo também ser prescritos anti-inflamatórios e analgésicos.

Assim, o tratamento pode incluir:

Antibióticos

Os antibióticos são escolhidos tendo em atenção a sensibilidade do microrganismo que causa a infeção.

Embora sendo a primeira linha de ação contra a pielonefrite, o tipo de antibiótico que o médico escolhe depende da possibilidade ou não de identificar as bactérias. Caso contrário, é utilizado um antibiótico de largo espectro.

Embora os medicamentos possam curar a infeção dentro de 2 a 3 dias, a medicação deve ser tomada durante todo o período de prescrição que pode ser entre 10 a 14 dias, mesmo que haja melhoria dos sintomas.

Internamento hospitalar

Em alguns casos, a terapia medicamentosa é ineficaz. Para uma infeção renal grave, o médico pode recomendar o internamento no hospital.

A duração da estadia depende da gravidade da doença e da forma como o doente responde ao tratamento.

O tratamento no hospital pode incluir hidratação intravenosa e antibióticos durante 24 a 48 horas. Durante a permanência no hospital, os médicos irão monitorizar o sangue e a urina para rastrear a infeção.

É frequente que seja necessário tomar antibióticos orais durante 10 a 14 dias depois da saída do hospital.

Cirurgia

As infeções renais recorrentes podem resultar de um problema médico latente. Nestes casos, pode ser necessária uma cirurgia para remover quaisquer obstruções ou para corrigir quaisquer problemas estruturais nos rins. A cirurgia pode também ser necessária para drenar um abcesso que não responde aos antibióticos.

Em casos de infeção grave, poderá ser necessário retirar uma parte do rim.

Quais são os sintomas da pielonefrite?

Os sintomas vão-se desenvolvendo à medida que as bactérias vão progredindo nos rins e aparecem, geralmente dois após o início da infeção.

Os sintomas podem ser diferentes nas crianças e nos adultos mais velhos do que nas outras pessoas e serem sintomas ligeiros ou podem mesmo ser sintomas imperceptíveis.

Por exemplo, a confusão mental é comum nos adultos mais velhos e é frequentemente o único sintoma que apresentam.

Alguns dos sintomas são:

  • Dor na região lombar e pélvica
  • Dor na zona abdominal
  • Febre
  • Vontade constante de urinar
  • Dor e ardor ao urinar
  • Mal-estar
  • Urina com mau cheiro
  • Calafrios e suor excessivo
  • Náuseas e vómitos
  • Urina turva
  • Pus ou sangue na urina
  • Tremores ou arrepios
  • Fadiga
  • Pele húmida
  • Confusão mental

À medida que a bactéria se prolifera nos rins, é possível haver perda progressiva da função desse órgão devido à inflamação intensa, o que pode levar à insuficiência renal e, consequentemente, à falência renal.

Assim, na presença de sinais e sintomas indicativos de pielonefrite, é importante que o urologista seja consultado para que sejam feitos exames que ajudem a confirmar o diagnóstico e identificar o microrganismo responsável pela infeção, sendo então possível iniciar o tratamento mais adequado.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico da pielonefrite é feito pelo urologista através da avaliação dos sintomas apresentados pela pessoa, em conjunto com o exame físico e o resultado do exame de urina para identificar a presença de sangue, leucócitos e bactérias na urina, o que é normalmente indicativo de pielonefrite.

Além disso, em alguns casos o médico pode indicar a realização de exames de imagem como raio-X e tomografia computadorizada para confirmar o diagnóstico.

A urocultura e o antibiograma também podem ser solicitados pelo médico com o objetivo de identificar qual o agente causador da doença e ajudar a estabelecer a melhor estratégia de tratamento.

A ultrassonografia pode ser útil para avaliar o tamanho dos rins, diagnosticar as partes atingidas, se for este for o caso, e também para descartar qualquer obstrução da drenagem dos rins.

Quando há suspeita de obstrução do sistema de drenagem dos rins podem ser necessários outros exames, como a tomografia computadorizada, para confirmar a obstrução e avaliar a necessidade de algum procedimento cirúrgico de urgência para desobstruir a passagem da urina.

Outros testes que podem ser feitos para chegar ao diagnóstico:

Testes de urina

Estes testes podem ajudar a verificar se existe a presença de bactérias, pus ou sangue na urina, indicativos de uma infeção.

Testes de imagem

O médico pode também pedir para que o doente faça uma ecografia para procurar quistos, tumores, ou outras obstruções no trato urinário.

Para as pessoas que não respondem ao tratamento no prazo de 72 horas, pode ser necessário realizar um TAC.

Testes com substâncias radioativas

Esta é uma técnica de imagem que utiliza uma injeção de material radioativo. O profissional de saúde injeta o material através de uma veia no braço. O material viaja então para os rins. Imagens obtidas à medida que o material radioativo passa pelos rins mostram áreas infetadas ou com lesões.

Quais são as complicações?

Uma das complicações mais frequentes é a passagem a uma situação crónica, em que passa a haver uma doença renal persistente.

Outra complicação possível acontece quando os rins ficam danificados permanentemente.

Algumas complicações que podem ocorrer são:

  • Septicemia
  • Abscesso renal
  • Falência renal
  • Hipertensão
  • Insuficiência renal
  • Necessidade de diálise
  • Infeções recorrentes nos rins
  • Infeção de outros órgãos adjacentes aos rins

A pielonefrite tem cura?

Nos casos menos graves a doença tem uma recuperação relativamente rápida. No entanto, quando a infeção não é prontamente tratada ou é tratada de forma desadequada, pode transformar-se numa doença crónica e neste caso a recuperação é mais difícil.

Qual a prevenção para a pielonefrite?

A melhor forma de prevenir o surgimento da pielonefrite é evitar a ocorrência de infeções urinárias.

Neste sentido, alguns hábitos simples podem fazer a diferença:

  • Utilizar água para fazer a higiene íntima
  • Ir à casa de banho para urinar sempre que houver vontade
  • Urinar depois das relações sexuais para eliminar bactérias que possam ter passado para a uretra
  • As mulheres devem usar o papel higiénico da frente para trás
  • Evitar contracetivos que usam espermicida
  • Beber pelo menos 1 litro e meio de água por dia
  • Usar roupa interior de algodão
  • Lavar bem as mãos

A pielonefrite pode ser uma doença grave, por isso é importante contactar o assim que houver suspeita de infeção ou que surja algum sintoma.

Esta condição requer pronta atenção médica, pelo que quanto mais cedo começar o tratamento, melhor.

Conclusão

A infeção nos rins ou pielonefrite, normalmente começa na bexiga e move-se para cima para um ou ambos os rins.

Em alguns casos, as infeções renais podem levar a graves problemas de saúde, mas o tratamento rápido e adequado pode ajudar a evitar muitas complicações.

Quando não há um tratamento adequado pode haver um severo comprometimento da função renal, ou até mesmo falência renal.

As pessoas com mais de 65 anos e do sexo masculino que apresentam comprometimento da função renal, ou a presença de coagulação intravascular disseminada correm um maior risco de aumento da mortalidade.

As infeções nos rins podem ser uma experiência desagradável e dolorosa, que facilmente se transformam em doenças mais complicadas.

A chave para lidar com a situação é adotar um plano de ação de tratamento, que inclui antibióticos receitados pelo médico e algumas regras práticas de higiene que podem não só ajudar a aliviar os sintomas como a evitar uma situação mais grave.

Os rins são vitais para a saúde em geral. Estes órgãos são responsáveis por muitas funções, desde o processamento de resíduos corporais até ao fabrico de hormonas. É por isso que cuidar dos rins deve ser uma prioridade máxima para a saúde de qualquer pessoa.

Manter um estilo de vida ativo e consciente da saúde é a melhor coisa que se pode fazer para garantir que os rins se mantêm saudáveis.

Juntos Cuidamos Melhor!

Nos centros Mais Que Cuidar pode encontrar uma gama completa de produtos e serviços  que ajudam no apoio e no conforto das pessoas afetadas por cancro do fígado, tem ao seu dispor cuidados de saúde ao domicilio (apoio domiciliário, fisioterapia, enfermagem) e produtos de apoio para comprar ou alugar.

Os nossos profissionais de saúde e mobilidade garantem as melhores soluções para a sua situação clínica específica. Temos também disponível uma linha de apoio de enfermagem 24h/dia 365 dias do ano e o apoio do médico fisiatra através da consulta ao domicílio ou da teleconsulta.

Juntos Cuidamos Melhor!

Referências:

  • Associação Portuguesa de urologia
  • Mayo Clinic
  • Urology Health

*Atenção: O Blog Mais que Cuidar é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre temas relacionados com saúde e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde.

Central de Atendimento

como podemos ajudar?
Apoio via Whattsapp
Entre em contato
através do Whattsapp.
ABRIR WHATTSAPP
Apoio por Telefone
Contacte-nos todos os dias
úteis entre 10h às 19h e aos
Sábados das 10h às 13h
Lojas de Ortopedia e Geriatria em Portugal
Procuramos estar cada vez mais perto de si.
Venha conhecer-nos! Juntos Cuidamos Melhor.
Porto
Porto
Estrada da Circunvalação 14688
4450-097 Matosinhos
T. 224 054 146
Lisboa
Lisboa
Rua Manuel Martins da Hora, 2
1750-172 Lisboa
T. 210 402 220
Almada
Almada
Rua do Regil 21A
2805-234
Almada
T. 210 402 248
Faro
Faro
Estrada Municipal 514
Zona Ind. da Barracha, Lote 11
8150-017 São Brás de Alportel
T. 289 824 225