Central de Atendimento

Como podemos ajudar?
Precisa de ajuda?

Sintomas de Gastroenterite: quais são e como tratar?

Sintomas de gastroenterite

Vómitos, diarreia e mal-estar geral. Estes são os sinais iniciais de uma gastroenterite, uma inflamação do sistema digestivo que afeta sobretudo o estômago e o intestino.

Os vírus, bactérias, parasitas e alimentos estragados, são os agentes que contribuem para o seu aparecimento, embora haja uma grande variação entre países na distribuição da doença, para a qual contribuem fatores como a localização geográfica, o clima, as condições de tratamento de águas, cuidados de saúde disponíveis e os fatores socioeconómicos.

Afeta sobretudo as crianças, mas também pode afetar os adultos, os idosos e as pessoas com o sistema imunitário enfraquecido. Nos países em desenvolvimento contribui para a mortalidade infantil.

Em Portugal, a bactéria salmonella é uma das grandes responsáveis pelo surgimento da doença. Por outro lado, segundo a Organização Mundial de Saúde, os norovírus são os responsáveis pela doença na Europa.

Ter uma crise de gastroenterite pode ser um grande desafio. Obter a informação e o tratamento adequados é fundamental.

Saiba mais sobre a Gastroenterite, os sintomas e como pode ser tratada, neste artigo.

O que é a Gastroenterite?

A gastroenterite é uma doença provocada pela inflamação do estômago e do intestino, que foi causada por uma infeção provocada por bactérias, vírus ou parasitas que alteram a função intestinal.

Pode ser desencadeada pelo consumo de alimentos estragados ou contaminados. Tende a acontecer com mais frequência no verão e em locais onde não é feito tratamento de águas, ou junto a redes de esgoto.

Determinados agentes patogénicos produzem toxinas que fazem com que as células da parede intestinal libertem minerais e água. A diarreia e os vómitos persistentes causados pela inflamação, interferem na absorção de nutrientes e podem causar má-nutrição e fraqueza.

Quais as causas da Gastroenterite?

As causas principais são a infeção por vírus, bactérias e parasitas que produzem microrganismos e podem ser transmitidos pelo ar ou de outras formas.

Esta doença acontece mais frequentemente nas crianças e nos idosos, sobretudo pela ingestão de alimentos contaminados ou estragados. Alimentos conservados com pouca higiene e sem refrigeração podem ser a causa para a degradação dos alimentos que provoca a formação de micropartículas que vão desencadear a gastroenterite. A colocação das mãos sujas na boca, ou a transmissão da doença por uma pessoa infetada, são outras formas de desencadear a patologia.

Os diferentes microrganismos que podem causar uma gastroenterite são:

  • Vírus: Rotavirus, Adenovirus e Norovírus causam, sobretudo no inverno, a maioria dos casos de gastroenterite, podendo também afetar os pulmões. Os vírus são os principais responsáveis por surtos de gastroenterite em lares de idosos.
  • Bactérias: as bactérias invadem o revestimento interno do intestino, lesam as células ali existentes, provocando pequenas feridas que sangram e provocam uma grande perda de líquidos através de diarreia, onde se perdem proteínas, minerais e água. Uma das bactérias mais comuns que causa gastroenterite, é a Salmonella que pode ser encontrada em ovos ou frango cru. Outras bactérias conhecidas são a E.coli e os estafilococos.
  • Parasitas e fungos: esta gastroenterite é mais frequente em locais com más condições higiénicas e é normalmente desencadeada pelo consumo de água contaminada. A doença provocada pelo parasita Giardia lamblia, denominada por giardíase, invade o revestimento do intestino e provoca náuseas, vómitos, diarreia e uma sensação geral de mal estar, ocorre sobretudo em climas frios e caso se torne persistente, pode bloquear a absorção de nutrientes pelo organismo. Outras infeções por diferentes parasitas são a criptosporidíase e a amebíase. A primeira provoca cólicas abdominais, diarreia líquida, náuseas e vómitos, e a segunda diarreia com sangue, afetando sobretudo o intestino grosso, podendo, no entanto, afetar também o fígado ou outros órgãos.
  • Substâncias químicas: toxinas químicas produzidas por fungos ou por certos alimentos como cogumelos tóxicos ou alguns tipos de frutos do mar, podem provocar gastroenterite. Outras substâncias químicas que também provocam a doença são os metais pesados que podem ser ingeridos através de água contaminada. Substâncias como o chumbo, mercúrio, arsénio ou cádmio podem provocar náuseas, vómitos, dores abdominais e diarreia. Para algumas pessoas a ingestão frequente de alimentos ácidos como o tomate ou frutas mais ácidas como a laranja, o ananás ou o limão, é o suficiente para provocar gastroenterite.

Medicamentos: a gastroenterite pode ocorrer como efeito colateral da toma de alguns fármacos. Alguns dos medicamentos associados a esta patologia são: 

  • Antibióticos
  • Antiácidos com magnésio
  • Laxantes
  • Medicamentos usados na quimioterapia
  • Radioterapia
  • Alguns medicamentos para a gota
  • Alguns medicamentos usados para a insuficiência cardíaca
  • Medicamentos usados para remover vermes

Qual é o tratamento para a Gastroenterite?

Só o médico poderá indicar qual é o tratamento mais indicado a cada caso, não sendo recomendada a automedicação caso a doença se manifeste.

Normalmente o tratamento principal é a reidratação, com a ingestão abundante de líquidos, e o repouso absoluto, sobretudo se a inflamação intestinal foi provocada por um vírus. Mesmo no caso de vómitos persistentes, devem ser ingeridos líquidos de acordo com a tolerância individual, bebendo pequenas quantidades frequentemente. 

Caso haja uma desidratação grave poderá ser necessário introduzir líquidos e minerais através da veia.

Em alguns casos, em que a doença foi provocada por bactérias, poderão ser administrados antibióticos ou outros medicamentos. Mas só o médico poderá determinar o antibiótico mais adequado, porque alguns antibióticos também podem desencadear a doença. 

Outros medicamentos que podem ser utilizados no tratamento são os fármacos para inibir os vómitos que são administrados oralmente. Caso os vómitos sejam muito graves, os fármacos podem ser administrados por injeção ou supositório.

No caso das gastroenterites desencadeadas por parasitas, o médico poderá recomendar o uso de medicamentos antiparasitários.

Podem ainda ser usados sais de reidratação oral, soro, água de coco, água de arroz e alimentação leve e de fácil digestão, evitando frituras, café e comidas picantes, para ajudar o sistema digestivo a recuperar. Os suplementos probióticos são usados geralmente após a doença se extinguir para facilitar a regulação da flora bacteriana intestinal.

Quais os sintomas da Gastroenterite?

Os sintomas variam de acordo com a resistência do organismo de cada pessoa, podem surgir imediatamente após o consumo do alimento ou água contaminada, ou 1 dia depois da ingestão. A gravidade dos sintomas depende da quantidade de toxina ou microrganismo ingerida.

Os casos de gastroenterite provocada por vírus ou parasita, os sintomas tendem a desaparecer em 3 ou 4 dias, depois de um período de repouso, ingestão de líquidos e comida leve.

Quando a doença é provocada por bactérias pode demorar mais tempo a passar e pode ser necessária a utilização de antibióticos.

Os sintomas mais comuns da gastroenterite são:

  • Diarreia
  • Vómitos
  • Dor abdominal
  • Febre
  • Enjoo
  • Desidratação
  • Perda de apetite
  • Perda de peso
  • Dores musculares
  • Mal-estar geral
  • Cansaço extremo
  • Dor de cabeça

Como é feito o diagnóstico?

Para fazer o diagnóstico, o médico faz uma avaliação clínica mediante a observação dos sintomas. Poderá ser mais difícil identificar as causas da gastroenterite. 

Para esse efeito, o médico irá analisar o historial de contacto do doente com alimentos ou água contaminada, uso de medicamentos ou a existência de familiares ou colegas de trabalho do doente que tenham também ficado doentes com os mesmos sintomas, num período recente. 

A realização de viagens a países onde as condições salubres não são as melhores, pode ser também uma forma de diagnosticar a doença.

Quando os sintomas são muito graves e perduram por mais de 48 horas, o médico pode pedir a realização de um exame às fezes, para verificar a existência de vírus, parasitas ou bactérias, bem como análises aos vómitos, alimentos ou sangue.

Exames complementares aos rins ou ao intestino grosso podem também ser utilizados para chegar ao diagnóstico.

Quais as complicações?

A desidratação grave é uma das complicações possíveis, que inclui boca seca, fraqueza física e diminuição da frequência urinária.

Os vómitos e a diarreia podem causar uma baixa concentração de potássio e sódio no sangue, pressão arterial baixa e frequência cardíaca acelerada. Estes problemas podem ter um grande impacto nas crianças e nos idosos.

As pessoas com o sistema imunitário comprometido e com doenças crónicas podem ter que ser internadas no hospital e receber medicamentos e reposição de líquidos e minerais, de forma intravenosa.

Em casos muito graves pode ocorrer insuficiência renal.

A Gastroenterite tem cura?

Sim. Embora nos países em desenvolvimento e reduzidas condições sanitárias, a diarreia severa pode pôr a vida em perigo, em Portugal é uma doença que com o tratamento adequado pode ser resolvida em pouco tempo. No entanto, é uma patologia que pode reincidir.

Como podemos prevenir a Gastroenterite?

A gastroenterite é uma doença relativamente fácil de prevenir. Para prevenir as infeções é muito importante manter uma boa higiene das mãos e dos locais frequentados.

Estas são algumas das práticas preventivas:

  • Lavagem de alimentos: os vegetais crus e as frutas devem ser lavados antes de serem consumidos, bem como lavar frequentemente as mãos antes de cozinhar e de comer, mantendo as superfícies da cozinha limpas. Facas e tábuas para cortar carne crua devem ser lavadas antes do uso com outros alimentos
  • Evitar o consumo de alimentos crus: comer carne, sobretudo frango, e peixe crus deve ser evitado. Os ovos também não devem ser consumidos crus e a sua casca deve ser limpa. Os vegetais devem ser sempre lavados antes de serem consumidos.
  • Prestar atenção aos prazos de validade e armazenamento: determinados molhos, maionese e outros alimentos facilmente perecíveis devem ser colocados no frigorífico, respeitando sempre o prazo de validade.
  • Evitar locais com má higiene: consumir alimentos em restaurantes ou outros estabelecimentos com regras de higiene.
  • Consumo de probióticos: ajudam à recuperação da flora intestinal e estimulam o sistema imunológico.
  • Vacinação: nos casos em que é possível fazer a vacinação contra os vírus que causam a gastroenterite como o rotavírus, por exemplo.
  • Evitar locais onde proliferam bactérias: pessoas com o sistema imunitário enfraquecido, como é o caso dos idosos, não devem frequentar locais onde existam répteis, pássaros ou anfíbios, já que estes animais contêm a bactéria salmonela, e estas pessoas tendem a ter infeções mais graves.
  • Lavagem das mãos: as mãos devem ser lavadas sempre após a ida à casa de banho e devem ser lavadas também antes de tocarem nos alimentos.

Conclusão

Com a chegada do verão chegam também as gastroenterites, mais frequentes nesta altura do ano. Uma maior mobilidade, refeições fora de casa e temperaturas mais altas que aumentam o risco de estragar alguns alimentos, formam o cenário perfeito para o surgimento da doença.

A forma mais eficaz de prevenção é a lavagem das mãos e uma boa higiene em geral. A lavagem das mãos deve ser feita com água e sabão antes e depois das refeições, depois de ir à casa de banho e sempre que seja necessário, por exemplo quando estão sujas com alguma substância que possa ser tóxica, se ingerida.

Na maior parte dos casos os sintomas acabam por desaparecer por si, exceto em situações mais graves, em que a diarreia perdura por mais de uma semana, a desidratação é severa ou há presença de sangue nas fezes. Nestas situações é necessário procurar ajuda médica.

Nos centros Mais que Cuidar pode encontrar uma gama completa de produtos e serviços  que dão uma ajuda importante no apoio e no conforto, prestando cuidados de saúde ao domicílio (apoio domiciliário, fisioterapia, enfermagem) e produtos de apoio para comprar ou alugar.

Os nossos profissionais de saúde e mobilidade ajudarão a encontrar as melhores soluções para a sua situação clínica. Temos ao seu dispor uma linha de apoio de enfermagem 24h/dia 365 dias do ano.

Referências:

*Atenção: O Blog Mais que Cuidar é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre temas relacionados com saúde e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde.

Central de Atendimento

como podemos ajudar?
Apoio via Whattsapp
Entre em contato
através do Whattsapp.
ABRIR WHATTSAPP
Apoio por Telefone
Contacte-nos todos os dias
úteis entre 10h às 19h e aos
Sábados das 10h às 13h
Lojas de Ortopedia e Geriatria em Portugal
Procuramos estar cada vez mais perto de si.
Venha conhecer-nos! Juntos Cuidamos Melhor.
Porto
Porto
Estrada da Circunvalação 14688
4450-097 Matosinhos
T. 224 054 146
Lisboa
Lisboa
Rua Manuel Martins da Hora, 2
1750-172 Lisboa
T. 210 402 220
Almada
Almada
Rua do Regil 21A
2805-234
Almada
T. 210 402 248
Faro
Faro
Estrada Municipal 514
Zona Ind. da Barracha, Lote 11
8150-017 São Brás de Alportel
T. 289 824 225