Central de Atendimento

Como podemos ajudar?
Precisa de ajuda?

Idosos em fase terminal: cuidados paliativos

idosos em fase terminal: importância dos cuidados paliativos

Como os cuidados de saúde modernos têm tido sucesso em manter mais pessoas vivas, com doenças, durante mais tempo, a natureza da hospitalização está a mudar de um paradigma de cura para outro de cuidados, incluindo os cuidados de fim da vida.

Há mais idosos na população e as pessoas estão a viver mais tempo. Cada vez há mais pessoas a viver com doenças crónicas, demência e fragilidade crescente.

Muitas pessoas sofrem de doenças que resultam num aumento da incapacidade, frequentemente com admissões hospitalares recorrentes e declínio progressivo ao longo do tempo.

A população idosa está estimada em mais de 72 milhões até 2030 nos maiores países do mundo ocidental, a maioria dos quais desenvolverá pelo menos uma doença crónica, como o cancro, doenças cardíacas e respiratórias, diabetes ou doença de Alzheimer.

O sistema de saúde é um sistema complexo, fragmentado e confuso que frequentemente leva a lacunas nos cuidados ao paciente e a um efeito dominó que reduz a qualidade de vida, o conforto e a qualidade dos cuidados aos idosos.

O problema não é só o sofrimento desnecessário dos doentes crónicos, também estão a aumentar os custos dos cuidados de saúde decorrentes de readmissões hospitalares, visitas desnecessárias ao departamento de urgências e cuidados indesejados ou inúteis.

O objetivo dos cuidados no final da vida é realçar o aumento das doenças crónicas, mudar o foco do prolongamento da vida para a maximização da qualidade de vida e proporcionar apoio adequado aos idosos e às suas famílias.

Os cuidados paliativos são uma abordagem que melhora a qualidade de vida dos pacientes e das suas famílias com doenças potencialmente fatais através da prevenção do sofrimento, incluindo o sofrimento físico, psicológico e espiritual.

Uma abordagem paliativa dos cuidados é relevante e beneficiará qualquer pessoa idosa que tenha uma doença ou condição que possa afetar o tempo de vida ou a sua crescente fragilidade.

Os cuidados paliativos podem assim aumentar a qualidade de vida dos idosos, apoiam os membros da família e reduzem despesas médicas desnecessárias.

O objetivo primordial é melhorar a qualidade de vida dos doentes e da família. Mas os cuidados em fim de vida não precisam de envolver tratamento extensivo, hospitalização, ou custos médicos exorbitantes.

O que são os cuidados paliativos?

Os cuidados paliativos estão centrados na qualidade de vida e são cuidados médicos concebidos para pessoas com problemas de saúde graves. Este tipo de cuidados está centrado no alívio da dor, stress e outros sintomas da doença que afeta o idoso.

Cuidados paliativos consistem no tratamento para os sintomas físicos, emocionais e psicológicos que podem ocorrer durante uma doença grave.

Nos cuidados paliativos modernos, os médicos e prestadores de cuidados concentram-se, não na cura ou prolongamento da vida, mas na otimização da vida quotidiana.

Por exemplo, os cuidados paliativos concentram-se na minimização dos sintomas de drenagem em casos de cancro, dor física e as náuseas e fadiga frequentemente causadas pelo cancro e tratamentos como a quimioterapia.

Ter uma doença crónica também pode levar à depressão e à ansiedade. Em alguns casos, um prestador de cuidados paliativos pode ajudar os idosos a decidir não fazer quimioterapia devido a todo o efeito secundário.

Para alguns idosos, é melhor viver uma vida mais curta e cheia, do que uma vida mais longa em dor e desconforto.

Os cuidados paliativos especializados são os cuidados prestados por aqueles que receberam formação específica ou acreditação em cuidados paliativos e medicina. 

Trabalhando no contexto de uma equipa interdisciplinar de profissionais de saúde especializados em cuidados paliativos e do sistema de serviços designado para prestar este tipo de cuidados.

Uma abordagem paliativa dos cuidados também considera alguns dos desafios para as pessoas idosas à medida que se aproximam do fim da vida, como por exemplo:

  • Perda de independência
  • Depender mais de outros para assistência
  • Perder o controlo da sua vida
  • Não ser capaz de pensar tão claramente como antes
  • Alterações na aparência física e capacidades funcionais
  • Depressão e ansiedade
  • Maior isolamento social e sentimentos de solidão
  • Não se sentir valorizado
  • Sentir-se um fardo para os outros
  • Não ser tratado com respeito ou compreensão.

Como atuam os cuidados paliativos?

Os cuidados paliativos oferecem uma abordagem com compaixão aos cuidados de pacientes mais idosos que residem em instalações de cuidados continuados e com enfermagem qualificada também, ou mesmo ao domicílio.

A maior parte dos residentes em lares de idosos sofrem de duas ou mais condições de saúde crónicas, incluindo doença de Alzheimer, doença cardíaca, depressão, DPOC e cancro.

Mais de um quarto sofrem de quatro ou mais condições. No entanto, nem todos os residentes em lares de idosos têm acesso a cuidados paliativos, embora quase todos beneficiariam deste tipo de cuidados.

Muitas vezes os idosos passam por ciclos de crise-hospitalização-readmissão-crise, resultando em angústia e sofrimento para os próprios e as suas famílias.

A formação especializada e certificada em cuidados paliativos é fundamental para aplicar adequadamente muitas das suas abordagens e técnicas básicas, tais como a comunicação paciente e família, a gestão eficaz da dor e dos sintomas, e o planeamento avançado dos cuidados, entre outros.

Os cuidados paliativos oferecem a possibilidade de aliviar sintomas, dor e o stress de doenças graves, melhoram a qualidade de vida dos pacientes mais velhos, das suas famílias e dos prestadores de cuidados.

Outros benefícios dos cuidados paliativos incluem o seguinte:

  • Aumento da satisfação do paciente e da família com o cuidado
  • Maior apetência para a utilização e aderência ao planeamento avançado dos cuidados
  • Redução da frequência de hospitalizações sucessivas
  • Redução da incidência de dor descontrolada, ansiedade não tratada e da depressão
  • Aumento do encaminhamento atempado para cuidados hospitalares, quando necessário
  • Redução das deficiências nos cuidados em fim de vida, nos cuidados hospitalares e na coordenação dos cuidados

Prestações de cuidados paliativos para idosos e família

Os idosos lidam frequentemente com uma variedade de dores, dores e desconfortos, para além de graves condições de saúde.

Além disso, os tratamentos médicos para curar ou reverter as condições de saúde podem ter um impacto mais forte nos corpos mais envelhecidos e são mais suscetíveis de causar efeitos secundários significativos.

Os profissionais especializados em cuidados paliativos são especialistas com formação e experiência extra em gestão da dor e controlo dos sintomas.

Estes profissionais ajudam os idosos e os cuidadores familiares a lidar com os efeitos secundários dos tratamentos médicos, os medos e o stress dos cuidadores. Os cuidadores familiares recebem também apoio adicional.

Os profissionais em cuidados paliativos podem também ajudar as famílias a tomar decisões médicas difíceis. Podem discutir os prós e os contras de várias opções de tratamento, responder a perguntas e a preocupações.

Quais são os sintomas que os cuidados paliativos aliviam?

Ao aliviar os sintomas, os cuidados paliativos melhoram frequentemente a capacidade de alguém tolerar tratamentos médicos e a sua capacidade de recuperação.

Também dá aos idosos e aos prestadores de cuidados mais controlo porque têm uma melhor compreensão das escolhas de tratamento.

Os cuidados paliativos concentram-se no alívio de sintomas como:

  • Dor
  • Falta de ar
  • Náusea
  • Perda de apetite
  • Dificuldade em dormir
  • Depressão

Para que tipos de doenças são utilizados os cuidados paliativos?

Os cuidados paliativos são úteis para pessoas com qualquer doença grave ou crónica.

Algumas das doenças onde são usados com mais frequência são:

Quais os cuidados paliativos que são prestados?

Os cuidados paliativos não se limitam ao cuidado físico, pelo contrário, podem abranger uma grande variedade de tipos de apoio.

Medidas de conforto pessoal

Os cuidados paliativos concentram-se em providenciar conforto de uma forma ativa. Todos os indivíduos envolvidos nas tomadas de decisão necessitam de ser flexíveis, sensíveis e realistas quando se debruçam sobre as necessidades de conforto da pessoa que está em fase terminal.

Estas condições, por exemplo, provavelmente irão necessitar de atenção e de um planeamento cuidadoso:

  • Posicionar a pessoa de forma a promover o conforto
  • Saúde oral
  • Dificuldade em respirar
  • Cuidados da pele
  • Controlo da incontinência
  • Mobilização
  • Apoio pessoal

Gestão de Sintomas

A gestão dos sintomas irá depender da fase da doença e de quaisquer outras condições que possam afetar o idoso. Alguns sintomas que ocorrem em pessoas com demência, em fase terminal, por exemplo, podem requerer a tomada de decisões difíceis.

O foco do cuidado nesta situação deve estar nas questões chave dos cuidados paliativos: que utilidade tem o tratamento para a pessoa com demência? Qual a melhor escolha para promover o conforto da pessoa com demência?

Dor

Existem fortes evidências da dificuldade no reconhecimento da dor em pessoas com várias doenças. É importante que exista um acompanhamento contínuo e sistemático para avaliar e controlar a dor.

Alimentação e Hidratação

A diminuição do apetite e as dificuldades em comer e engolir são parte normal do processo da doença e frequentemente indicam que a pessoa está a entrar numa fase terminal.

Os efeitos da desidratação na doença terminal possibilitam uma diminuição das secreções pulmonares, menos tosse e incontinência.

As questões da alimentação e hidratação são complexas, particularmente se a opção de tratamento levantar questões de alimentação e hidratação artificial.

Não existem evidências que demonstrem que a alimentação ou hidratação artificial tenham qualquer benefício para o prolongamento de vida ou para promover uma morte em paz nas pessoas em fase terminal.

Medicamentos

Poderá haver algumas questões relacionadas com o uso ou não de medicamentos e para que fim nesta fase. As decisões devem ser tomadas de acordo com o contexto e com as especificidades individuais.

Cuidados espirituais

Atender às necessidades espirituais do idoso, da sua família e cuidadores é uma parte importante dos cuidados paliativos.

A espiritualidade pode ser expressa através de rituais e práticas religiosas. No entanto, para muitas pessoas, a espiritualidade tem outras associações e formas de expressão.

As famílias e os cuidadores devem sentir-se à vontade para procurar formas de manter estas práticas se forem necessárias.

Morte

À medida que a morte se aproxima, é importante lembrar que a pessoa ainda consegue ouvir e compreender o que lhe está a ser dito. Os familiares e cuidadores podem tocar, abraçar ou segurar a pessoa.

O momento exato da morte pode ser difícil, não só porque significa a partida definitiva da pessoa da vida e convívio dos familiares, cuidadores e prestadores de serviços de cuidados, mas também porque alguns sinais físicos e alterações não têm um padrão fixo.

Após o falecimento, os familiares e cuidadores, podem sentir tristeza, dor, culpa, alívio ou qualquer combinação destas e de outras emoções.

Quais são os benefícios?

Os cuidados paliativos têm um papel importante no acompanhamento do idoso até aos momentos finais, podendo ser uma fonte de atenção, tranquilidade e segurança.

Eis alguns exemplos de outros benefícios dos cuidados paliativos:

  • Melhora a comunicação entre o doente e os prestadores de cuidados de saúde
  • Abre discussões sobre opções de tratamento e gestão de sintomas para que o doente esteja mais envolvido
  • Alivia a dor e o desconforto de sintomas tais como náuseas e falta de ar
  • Melhora a coordenação dos cuidados com os prestadores de cuidados de saúde, o idoso e a família.
  • Satisfaz as necessidades emocionais do doente
  • Prevê as suas necessidades espirituais

Conclusão

A crescente esperança de vida e as alterações associadas à morbilidade em fim de vida preveem grandes desafios para os cuidados de saúde.

Atualmente, na Europa, mulheres e homens de 50 anos podem esperar viver mais 34 e 29 anos, respetivamente. No entanto, o tempo esperado livre de morbilidade, ou seja, de doenças crónicas ou debilitantes, é de apenas 10 e 9 anos, respetivamente.

Isto significa que as últimas duas décadas da vida da maioria das pessoas são caracterizadas por uma carga crescente de multimorbilidade crónica, dependência funcional, fragilidade e muitas vezes declínio cognitivo, necessitando de uma abordagem geriátrica aos cuidados.

Ao mesmo tempo, as causas de morte mudam, a fase de morrer muda, e o último período da vida estende-se por uma longa fase caracterizada por decisões de tratamento complicadas, gestão difícil dos sintomas, múltiplos problemas psicossociais e angústia que pode ser facilmente negligenciada.

Assim, a necessidade de cuidados paliativos e hospitalares, adaptados às necessidades e situações dos idosos é evidente, especialmente no que diz respeito ao número crescente de pessoas que vivem em lares residenciais ou em regime de cuidados continuados.

O campo emergente dos cuidados paliativos geriátricos, embora tenha sido pioneiro durante os últimos anos, ainda carece de uma base de provas suficiente. Precisa também de uma definição amplamente aceite e de uma base conceptual sólida.

Mas, estes serviços apoiam as pessoas com doenças que limitam a vida de várias formas, o que inclui os cuidados diretos a pessoas que requerem intervenções de cuidados paliativos especializados para a gestão de sintomas e necessidades de cuidados mais complexos.

Também facilitam a consulta e o aconselhamento a outros serviços e equipas de cuidados de saúde que prestam cuidados em fim de vida, a educação e formação sobre cuidados paliativos e questões de cariz psicológico ou social relacionadas com o fim de vida.

E por último, divulgar as mais recentes estratégias sobre os cuidados a prestar aos idosos em fase terminal e às suas famílias ou cuidadores familiares.

Nem todas as pessoas com uma doença limitadora da vida necessitarão de acesso a cuidados paliativos especializados.

Em muitos casos, o papel mais valioso que os cuidados paliativos especializados podem desempenhar é o de apoiar outras equipas e profissionais de saúde a prestarem cuidados de fim de vida aos seus pacientes.

Todos os doentes com uma doença limitadora da vida e as suas famílias e cuidadores necessitarão do apoio e dos cuidados de profissionais de saúde que compreendam e sejam competentes na abordagem paliativa dos cuidados.

Uma abordagem paliativa dos cuidados enfatiza o conforto e a qualidade de vida e envolve uma abordagem de equipa e coletiva aos cuidados.

Esta abordagem paliativa dos cuidados incorpora uma abordagem holística que considera e satisfaz todos os aspetos das necessidades físicas, emocionais, espirituais e psicossociais do idoso e da sua família.

Juntos Cuidamos Melhor!

Na Mais Que Cuidar encontra produtos e serviços que dão uma ajuda importante no apoio e na qualidade de vida dos doentes e idosos prestando cuidados de saúde ao domicilio (apoio domiciliário, fisioterapia, enfermagem) e produtos de apoio para comprar ou alugar.

Os nossos profissionais de saúde e mobilidade ajudarão a encontrar as melhores soluções para cada situação em particular. Temos ao seu dispor uma linha de apoio de enfermagem 24h/dia 365 dias do ano.

Na Mais que Cuidar poderá contar também com o apoio do médico fisiatra através da consulta ao domicílio ou da teleconsulta.

Referências:

  • Associação Alzheimer Portugal
  • Today Geriatric Medicine
  • Mayo Clinic
  • Daily Caring

*Atenção: O Blog Mais que Cuidar é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre temas relacionados com saúde e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde.

Central de Atendimento

como podemos ajudar?
Apoio via Whattsapp
Entre em contato
através do Whattsapp.
ABRIR WHATTSAPP
Apoio por Telefone
Contacte-nos todos os dias
úteis entre 10h às 19h e aos
Sábados das 10h às 13h
Lojas de Ortopedia e Geriatria em Portugal
Procuramos estar cada vez mais perto de si.
Venha conhecer-nos! Juntos Cuidamos Melhor.
Porto
Porto
Estrada da Circunvalação 14688
4450-097 Matosinhos
T. 224 054 146
Lisboa
Lisboa
Rua Manuel Martins da Hora, 2
1750-172 Lisboa
T. 210 402 220
Almada
Almada
Rua do Regil 21A
2805-234
Almada
T. 210 402 248
Faro
Faro
Estrada Municipal 514
Zona Ind. da Barracha, Lote 11
8150-017 São Brás de Alportel
T. 289 824 225