Central de Atendimento

Como podemos ajudar?
Precisa de ajuda?

Cuidador de idosos: qual a importância para a qualidade de vida do idoso e da sua família?

O cuidador de idosos é importante para a qualidade de vida do idoso e da sua família?

Eventualmente, todos nós envelhecemos. Com a idade avançada surgem outras complicações como as doenças, fragilidade e fadiga.

O processo de envelhecimento exige doses maiores de atenção, compreensão e empatia e cuidados com qualidade.

Cuidar dos idosos pode ser um desafio muito grande, pode ser uma tarefa exigente, e pode causar divisões e sentimentos ambivalentes entre as próprias necessidades e as dos idosos.

Mas, a importância dos cuidados pessoais para os idosos pretende, sobretudo, assegurar que o ritmo de vida não abranda ou se torna monótono.

Mas. embora os cuidados com idosos possam ser difíceis com as suas muitas exigências, é importante proporcionar-lhes o que merecem pela sua própria saúde, segurança e bem-estar.

Descubra mais sobre a razão pela qual os cuidados aos idosos são tão importantes. 

Porque é que os Cuidados com Idosos são tão importantes?

A importância dos cuidados ao domicílio para as pessoas idosas é frequentemente negligenciada. Há uma multiplicidade de razões pelas quais é importante cuidar dos familiares à medida que envelhecem.

Alguns estudos mostram que alguns fatores de stress como a ansiedade aumentam à medida que envelhecemos e à medida que estes fatores de stress aumentam, é importante combatê-los com estratégias que tragam conforto e qualidade de vida.

Tomar as medidas necessárias para proporcionar aos idosos o que eles precisam para envelhecer, ajuda a facilitar o processo biológico.

Os cuidados podem ser tão variados como certificar de que estão a fazer as coisas que gostam, de que ainda se preocupam com a sua saúde mental, ou procurar a ajuda de um assistente para prestar os cuidados em casa de acordo com a rotina diária ou semanal do idoso.

À medida que envelhecemos, há muitas coisas que mudam. A estrutura da vida muda, e até as coisas que costumavam ser fáceis de fazer podem deixar de o ser. Limitar a quantidade de stress e ansiedade que vem com a idade mais avançada é um passo importante.

Combater os fatores de stress que vêm com a idade mais avançada são as melhores ações que se podem fazer. Cuidar da nutrição e da saúde mental é importante. Mesmo a atividade física dentro de casa pode fazer a diferença nos níveis de stress e ansiedade.

Por vezes a importância de cuidar dos idosos pode parecer um fardo, mas nunca é demais realçar o seu impacto e a sua relevância, por isso poderá ser essencial em algum momento considerar um serviço de apoio ao domicílio.

Importância do cuidador de idosos

Cuidar dos idosos não se limita ao apoio físico, pelo contrário, abrange uma multitude de tarefas e de aspetos. Eis alguns exemplos:

Assistência nas tarefas domésticas, autocuidado e mobilidade

Por norma os cuidadores que dão apoio domiciliário ajudam também os idosos que necessitam de ajuda com tarefas domésticas, como fazer compras, lavandaria, trabalhos domésticos, refeições, transporte, contas, gestão de dinheiro, e manutenção doméstica.

Estas responsabilidades são frequentemente diárias se o idoso precisar de ajuda devido a limitações funcionais ou de saúde.

Os prestadores de cuidados a idosos que têm pelo menos duas necessidades de autocuidado ou demência, tendem a ajudar numa grande variedade de tarefas, incluindo ajudar nas tarefas domésticas, ajudar na mobilidade pela casa, a manter um registo dos medicamentos, e acompanhamento às consultas médicas.

Para os idosos com mais necessidades, os cuidadores ajudam com tarefas de autocuidado todos os dias ou na maioria dos dias, gestão de medicamentos, tarefas médicas e em feridas de pele.

Os idosos com demência ou outras condições que prejudiquem gravemente a função cognitiva podem também requerer supervisão constante e assistência prática devido às suas limitações funcionais e sintomas comportamentais.

Apoio emocional e social

Quando os idosos precisam de cuidados devido à fragilidade crescente ou ao aparecimento de uma doença debilitante, precisam de apoios emocionais e sociais diferentes dos habituais intercâmbios entre os membros da família.

Uma mudança importante está no equilíbrio da reciprocidade na relação entre o prestador de cuidados e o idoso. Com o aumento das necessidades, o idoso pode ser capaz de dar menos à relação enquanto necessita mais dela, apesar dos esforços para manter alguma reciprocidade.

Além disso, a própria resposta emocional do idoso às suas circunstâncias em mudança pode exigir um maior nível de apoio emocional por parte do prestador de cuidados. Os cuidadores podem ter que lidar com sintomas depressivos desconhecidos, ansiedade, irritabilidade ou raiva.

Estas mudanças podem ser tão subtis a ponto de serem quase impercetíveis no início. Com o avanço da fragilidade, as mudanças na relação entre cuidador e idoso só podem ser reconhecidas retrospetivamente depois de terem estado em curso durante algum tempo.

Inversamente, as mudanças na relação podem ocorrer repentinamente, como no caso de um idoso que teve um AVC.

Por exemplo, entre as pessoas que cuidam de acidentes vasculares cerebrais, os problemas mais estressantes estão na relação de sobrevivência de AVC que incluem a má comunicação, frustração com a inversão de papéis e questões de intimidade.

A tarefa considerada como a mais demorada pelos prestadores de cuidados é prestar apoio emocional.

Num estudo centrado no primeiro ano de prestação de cuidados após um AVC, os prestadores de cuidados inquiridos 8 a 12 meses após o evento do AVC relataram que os problemas percebidos como mais stressantes eram as situações em que o idoso parecia triste ou deprimido, falava em sentir-se só, tinha problemas em controlar o intestino, sentia-se inútil ou como um fardo, e parecia ansioso ou preocupado.

Saúde e Cuidados Médicos

O envolvimento familiar nas tarefas de saúde e médicas em casa não é novo, mas tornou-se mais comum, e é muitas vezes muito mais complexo do que no passado.

Os lares de idosos tornaram-se cenários de cuidados clínicos onde os prestadores de cuidados executam uma série de tarefas de enfermagem ou médicas que em tempos poderiam ser executados apenas por profissionais licenciados ou certificados em hospitais e lares.

Isto é, em parte, o resultado de esforços contínuos para reduzir a duração das hospitalizações e reduzir as colocações em lares de idosos, juntamente com opções cada vez mais complexas para o tratamento médico de condições crónicas e agudas em ambientes não institucionais.

No âmbito da saúde e dos cuidados médicos o papel do cuidador é cada vez mais complexo. Os medicamentos eram outrora simplesmente administrados.

Hoje em dia, os medicamentos prescritos para uso doméstico são administrados não só por via oral, mas também através de adesivos, injeções e por via intravenosa.

Quando o idoso está gravemente doente ou gravemente debilitado, o cuidador pode também gerir procedimentos e equipamentos técnicos, tais como tubos de alimentação e drenagem, cateteres, e traqueostomias, bem como gerir sintomas e monitorizar o estado geral do idoso.

Durante o tratamento do cancro, por exemplo, os cuidadores são chamados para inúmeras atividades de saúde e cuidados médicos em casa.

Os cuidados incluem a gestão de sintomas e efeitos secundários, nutrição, procedimentos práticos, cuidados com feridas e bombas de infusão, gestão de condições agudas, como febre, desidratação ou delírio.

E ainda gestão de regimes medicamentosos complexos tais como, agentes de quimioterapia oral, injeções, e uma série de medicamentos de gestão de sintomas.

Quando os idosos têm outras condições médicas crónicas para além do cancro, tais como doenças cardiovasculares, diabetes, artrite, ou um problema de saúde mental, a gestão destas comorbilidades pode tornar-se mais complicada.

Coordenação de Cuidados

Os cuidadores têm ainda outros papeis a desempenhar. Identificar e ajudar os idosos a obter os recursos comunitários e cuidados de saúde necessários também faz parte.

Muitas vezes o prestador de cuidados encontra sistemas de cuidados ineficazes e desconectados que envolvem uma série de entidades, incluindo prestadores de cuidados de saúde e agências públicas e privadas.

Os cuidadores têm de navegar nestes sistemas múltiplos, em constante evolução e cada vez mais complexos, muitas vezes sem assistência.

O papel dos cuidadores após a alta do idoso de um hospital ou centro de enfermagem especializado é importante. O papel específico do prestador de cuidados durante este processo pode variar com base nas necessidades de cuidados do idoso, na relação que existe entre ambos.

A disponibilidade e preparação dos cuidadores pode afetar a qualidade e curso dos cuidados pós-hospitalização. Os cuidadores podem ainda ajudar nas interações dos sistemas de saúde, a marcar consultas, a falar com médicos, a encomendar medicamentos, a adicionar ou alterar seguros de saúde ou a tratar de outras questões.

Os cuidadores também continuam envolvidos, muitas vezes, com os idosos que se mudam para instalações residenciais como as instituições de cuidados continuados e os lares de idosos.

Desempenham tarefas semelhantes àquelas que realizavam no domicílio, prestando apoio emocional e companhia, bem como alimentação, preparação, gestão de dinheiro, compras, e ajuda com transporte.

Os prestadores de cuidados podem também assumir novas tarefas quando o idoso se muda para estas instituições, interagindo com a administração e pessoal da entidade, defendendo o idoso e ajudando na tomada de decisões.

A advocacia e a coordenação dos cuidados em contextos de cuidados formais podem ser especialmente desafiantes.

Uma transição para um novo ambiente de prestação de cuidados requer frequentemente que o prestador de cuidados coordene uma nova gama de serviços e prestadores, sirva como um canal de comunicação entre ambientes, e procure novas informações para assegurar que as necessidades do idoso sejam satisfeitas.

Tomada de decisões

Os prestadores de cuidados estão frequentemente envolvidos na tomada de decisões com e, em algumas circunstâncias. No entanto, a natureza do envolvimento dos prestadores de cuidados varia.

Os tipos de papéis de tomada de decisão incluem diretiva, participativa, de apoio ou orientação, de aconselhamento, de advocacia e de deixar o idoso decidir.

Os idosos com deficiências cognitivas podem requerer a tomada de decisões por outrem, embora estes indivíduos com deficiências cognitivas leves a moderadas tenham frequentemente a capacidade de expressar preferências e fazer escolhas.

Os idosos frágeis podem ser capazes de expressar as suas preferências, mas carecem de autonomia executiva ou da capacidade de executar as suas decisões sem assistência considerável de um prestador de cuidados.

Os cuidadores e os idosos podem confrontar-se com muitos tipos de decisões, incluindo decisões sobre escolhas de tratamento, localização dos cuidados, e cuidados de fim de vida.

A tomada de decisões envolve tanto valores, preferências, necessidades, objetivos, capacidades e perceções do idoso como do prestador de cuidados, que podem ou não ser congruentes e, em alguns casos, podem estar em conflito.

A tomada de decisões envolve também considerações religiosas, dinâmicas familiares, finanças e viabilidade de ações.

Embora respeitando os direitos do idoso e assegurando que a sua voz é ouvida, uma boa comunicação e encontrar um equilíbrio entre as necessidades e preferências do idoso e a capacidade do cuidador para as satisfazer contribui para o bem-estar de ambas as partes.

Múltiplos instrumentos legais tais como cuidados de saúde e procurações financeiras, testamentos em vida e acordos de cuidados pessoais podem ajudar os cuidadores familiares e as suas famílias a delinear melhor as preferências do idoso e o âmbito da autoridade decisória do seu cuidador.

Muitos indivíduos com doenças avançadas carecem de capacidade de tomada de decisões e, portanto, precisam de depender de terceiros.

Muitos membros da família estão envolvidos na tomada de decisões para muitos idosos hospitalizados, incluindo os que necessitam de todas as decisões tomadas por outros.

A maioria dos idosos prefere envolver os membros da família nas decisões médicas e ter a família a servir de substituto quando perdem a capacidade de decisão.

Alguns indivíduos assumem formalmente o papel de substituto ao serem nomeados ao abrigo de uma diretiva ou procuração prévia ou por um tribunal num processo de tutela.

Outros podem assumir o papel por defeito em virtude de serem um membro próximo da família ou amigo.

Para as decisões sobre cuidados de saúde, o paradigma predominante para os decisores por defeito é uma hierarquia familiar nuclear, embora em alguns casos também se reconheçam amigos próximos.

Os decisores substitutos das famílias também enfrentam tarefas de tomada de decisões de substituição muito para além das decisões em matéria de saúde.

A gestão dos assuntos do idoso, incluindo questões financeiras, jurídicas e de seguros, é comum.

Os membros da família devem ter algum tipo de autoridade formal para tomar decisões pelo idoso através de alguma forma de copropriedade.

Como por exemplo, contas bancárias conjuntas, ou devem ser nomeados para gerir os assuntos financeiros como fiduciários, tipicamente através de uma procuração para as finanças.

Muitas vezes os cuidadores não estão familiarizados com estas opções legais e não estão preparados para assumir as funções conferidas por estes instrumentos legais.

Outras razões

Os idosos foram os pais, os avós que criaram os membros da família e mantiveram a estrutura necessária para o desenvolvimento de todos. É essencial que lhes sejam prestados os melhores cuidados porque eles merecem.

Por amor. Os pais idosos estavam lá em todas as paragens do caminho do crescimento e da vida Através das paixões e triunfos, eles deram apoio incondicionalmente.

Quando envelhecem é a vez dos familiares fazerem o melhor que podem para lhes proporcionar conforto e os melhores cuidados para terem uma boa qualidade de vida.

Mostrar apreciação. Cuidar deles e atender às suas necessidades é uma das muitas maneiras para mostrar carinho e apreciação

Têm um imenso património para partilhar. Os idosos fazem parte da família e podem transmitir tradições e ideais que foram parte integrante da história da família e fazem parte da própria identidade pessoal.

Aprendizagem sobre a vida. Eles passaram por muitas coisas. Ao longo dos anos, resistiram às muitas tempestades da vida, e na sua experiência podem encontrar-se preciosas lições de vida. Por isso, é importante ter tempo para ouvir o que dizem e aprender com eles.

Reforçam o sentimento de pertença. Proporcionar bons cuidados aos idosos, sozinho ou com a ajuda de profissionais, ajuda-os a não se sentirem tão isolados e deprimidos. Continuando a sentir um sentido de comunidade e uma vida social, que os fortalece e energiza.

Os idosos viveram uma época em que o sistema de valores é diferente do atual. Passar tempo a falar com eles e a conhecer a sua história, ajuda a ter uma visão sobre outras épocas, como era a vida no seu tempo, e a aprender valores que também se podem aplicar às novas gerações.

Para manter um sentido de propósito. Uma parte do cuidado dos idosos é dar-lhes um sentido de propósito, para que tenham sempre um olhar de antecipação para os dias futuros, e não estarem tomados pelo pavor ou pela incerteza.

Estão a aproximar-se do fim. Esta é a realidade, mais cedo ou mais tarde, com o avançar da idade, o futuro torna-se mais incerto.

O processo do envelhecimento pode ter um custo para a saúde física e mental. Ajudar os idosos a viver o resto das suas vidas sentindo-se felizes e em paz, amados e cuidados proporciona uma melhor qualidade de vida quer para eles quer para a família.

É simplesmente a coisa certa a fazer. Como seres humanos, é justo que se cuide dos mais velhos. Afinal de contas, todos nós seremos velhos um dia. Ao cuidar dos nossos anciãos, mostramos a nossa própria humanidade.

Conclusão

A velhice é uma fase sensível. Os idosos precisam de cuidados e conforto para levar uma vida saudável sem preocupações e ansiedade.

A falta de consciência sobre a mudança dos padrões de comportamento dos idosos em casa leva a que muitas vezes aconteçam abusos.

Nascimento, infância, adolescência, vida adulta e velhice são as fases mais cruciais na vida de uma pessoa. Todas estas fases têm os seus próprios desafios e problemas.

À medida que cada nível passa, a força física deteriora-se e a estabilidade mental diminui. Com o avançar da idade surgem múltiplos problemas de saúde.

Algumas das doenças mais comuns são geralmente a tensão arterial, diabetes, problemas de insuficiência cardíaca, artrite, cancro, dores articulares, tuberculose, bem como infeções renais.

Só não são as doenças que afetam a velhice, há várias outros fatores que contribuem para o declínio da saúde das pessoas idosas.

Uma das principais questões é a falta de cuidados adequados. Os idosos precisam de supervisão e orientação.  A dificuldade para compreender as necessidades e preocupações dos mais velhos faz com que sejam muitas vezes encarados como um fardo.

Os idosos estão muitas vezes sujeitos a abusos por parte de membros da família por causa de disputas de propriedade, falta de atenção e de condições, levando a que muitos deles se sintam demasiado assustados para se expressarem ou temem ser maltratados pelos seus familiares.

Os idosos que sofrem de problemas cognitivos apresentam sérias mudanças de personalidade e precisam de cuidados e atenção específicos.

Quando são deixados ao abandono, a maioria dos idosos é dominada por sentimentos avassaladores de desânimo, falta de propósito, alguns chegam mesmo a tornar-se violentos.

Mesmo sabendo que o envelhecimento é uma progressão natural e tem os seus próprios desafios e falhas, a maioria de nós tende a relegar as questões da velhice para segundo plano e a utilizar uma abordagem indisciplinada das questões relacionadas com a velhice e o que isso implica.

Compreender as necessidades dos idosos e as suas preocupações é o caminho mais seguro para manterem a sua boa saúde.

Os idosos desejam sobretudo, uma vida com boa saúde, dignidade, independência económica e um fim de vida tranquilo e pacífico. Anseiam por cuidados, amor e carinho.

Dar apoio emocional aos mais velhos mantém-nos joviais, o que é inevitavelmente a forma ideal de viver uma vida saudável. Daí a importância dos cuidados dos idosos e os benefícios que trazem quer para eles quer para toda a família.

Juntos Cuidamos Melhor!

Nos centros Mais que Cuidar pode encontrar uma gama completa de produtos e serviços que dão uma ajuda importante no apoio e na qualidade de vida dos idosos, prestando cuidados de saúde ao domicilio (apoio domiciliário, fisioterapia, enfermagem) bem como produtos de apoio para comprar ou alugar.

Os nossos profissionais de saúde e mobilidade ajudarão a encontrar as melhores soluções para a sua situação clínica. Temos ao seu dispor uma linha de apoio de enfermagem 24h/dia 365 dias do ano.

Na Mais que Cuidar poderá contar também com o apoio do médico fisiatra através da consulta ao domicílio ou da teleconsulta.

Referências:

  • National Institutes of Health
  • Care inc

*Atenção: O Blog Mais que Cuidar é um espaço informativo, de divulgação e educação sobre temas relacionados com saúde e bem-estar, não devendo ser utilizado como substituto ao diagnóstico médico ou tratamento sem antes consultar um profissional de saúde.

Central de Atendimento

como podemos ajudar?
Apoio via Whattsapp
Entre em contato
através do Whattsapp.
ABRIR WHATTSAPP
Apoio por Telefone
Contacte-nos todos os dias
úteis entre 10h às 19h e aos
Sábados das 10h às 13h
Lojas de Ortopedia e Geriatria em Portugal
Procuramos estar cada vez mais perto de si.
Venha conhecer-nos! Juntos Cuidamos Melhor.
Porto
Porto
Estrada da Circunvalação 14688
4450-097 Matosinhos
T. 224 054 146
Lisboa
Lisboa
Rua Manuel Martins da Hora, 2
1750-172 Lisboa
T. 210 402 220
Almada
Almada
Rua do Regil 21A
2805-234
Almada
T. 210 402 248
Faro
Faro
Estrada Municipal 514
Zona Ind. da Barracha, Lote 11
8150-017 São Brás de Alportel
T. 289 824 225