Gota

gota-pé-com-excesso-da-ácido-úrico-min

O que é a gota?

A gota é uma doença inflamatória que atinge sobretudo as articulações e ocorre quando a taxa de ácido úrico no sangue está em níveis acima do normal (hiperuricemia).

Quais as causas da gota?

O aumento na quantidade de ácido úrico no sangue pode ocorrer tanto pela produção excessiva como pela eliminação deficiente desta substância. É importante salientar que nem todas as pessoas que estiverem com a taxa de ácido úrico elevada (hiperuricemia) desenvolverão a gota. A maioria dos doentes com gota é composta por homens adultos com maior incidência entre os 40 e os 50 anos e, sobretudo em indivíduos com excesso de peso ou obesos, com vida sedentária e consumidores de bebidas alcoólicas com frequência. As mulheres raramente desenvolvem gota antes da menopausa e geralmente tem mais de 60 anos de idades quando a desenvolvem. Em Portugal, a prevalência atual da gota é cerca de 14 casos por 1000, nos homens e de 6 casos por 1000 nas mulheres.

Quais são os sintomas da gota?

Com o aumento da concentração de ácido úrico no sangue, ocorre o depósito de cristais nos tecidos, principalmente ao nível das articulações, causando inflamação e consequentemente dor e inchaço atingindo sobretudo as articulações do dedo grande do pé, os tornozelos e os joelhos. A gota é caracterizada, inicialmente, por ataques recorrentes de artrite aguda, provocados pela precipitação, nos espaços articulares, de cristais de ácido úrico. O quadro habitual consiste em dor que frequentemente começa durante a madrugada e é intensa o suficiente para acordar o doente. Embora qualquer articulação possa ser atingida, sobretudo as dos membros inferiores, o hálux (dedo grande do pé) é a articulação mais frequentemente envolvida na primeira crise. Além da dor, a articulação atingida apresenta-se inflamada com presença de calor, rubor (vermelhão) e inchaço. Também pode ocorrer a formação de cálculos, produzindo cólicas renais e depósitos de cristais de ácido úrico debaixo da pele, formando protuberâncias localizadas nos dedos, cotovelos, joelhos, pés e orelhas.

O que pode desencadear as crises de gota?

Alguns fatores podem desencadear una crise de gota em pessoas com hiperuricemia como a ingestão excessiva de álcool principalmente vinho tinto e cerveja, uma alimentação rica em determinados alimentos (ricos em purina) , traumas físicos, cirurgias, quimioterapia e o consumo de diuréticos.

Como é feito o diagnóstico da gota?

O diagnóstico da gota é feito sobretudo após uma história clinica bem feita associada aos exames que revelam níveis elevados de ácido úrico no sangue. Outros exames podem ser solicitados como radiografias e análises à urina.

Qual o tratamento da gota?

Não há cura definitiva para a gota. O tratamento visa diminuir a dor e inflamação nas crises agudas e a correção da hiperuricemia com o objetivo de prevenir episódios futuros e evitar lesões nas articulações. É necessário evitar os fatores desencadeantes ou que propiciam a formação de ácido úrico, além de um aumento na ingestão de líquidos para otimizar o fluxo urinário. A crise aguda de gota pode ser controlada com o uso de colchicina, anti-inflamatórios ou a associação de ambos com alívio em geral 2 horas após a ingestão da dose inicial. Esta medicação deve ser usada sempre sob prescrição médica e com cuidado em doentes com insuficiência renal, hipertensão e gastrite.

Como prevenir a gota?

É difícil prevenir o primeiro episódio mas podem tentar evitar-se as crises subsequentes de gota mantendo os níveis sanguíneos de ácido úrico baixos (inferiores a 5,6 mg/dl). Para tal é fundamental adotar um estilo de vida saudável, controlando fatores de risco, como obesidade, dislipidémia e hipertensão arterial. Desta forma, existem regras que podem ser postas em prática no dia a dia e ajudam quem sofre do problema, como não comer em excesso, não ficar demasiadas horas em jejum e ingeir, no mínimo, 1,5 l de água por dia. E para quem tem a doença, a escolha do que come pode ser decisiva. Veja que alimentos são amigos e inimigos de quem sofre de gota.

A EVITAR:

-Vísceras;

-Enchidos;

-Carnes jovens, como leitão, vitela e cabrito;

-Alimentos ricos em purinas (fonte de ácido úrico);

-Peixes gordos;

-Mariscos;

-Conservas;

-Refrigerantes;

-Bebidas Alcoólicas.

 

RECOMENDADOS:

-Leite;

-Queijo magro;

-Ovo cozido;

-Pão;

-Massas;

-Arroz branco;

-Milho;

-Couve;

-Alface;

-Cenoura;

-Agrião;

-Fruta;

-Sumos Naturais;

-Peixe com baixo teor em gordura (carapau, pescada, linguado e dourada).

COM MODERAÇÃO:

-Porco;

-Pato;

-Leguminosas (feijão,ervilhas, grão-de-bico,etc);

-Tomate;

-Couve-flor;

-Frutos secos;

-Frango;

-Cereais integrais

 

 

Facebook
Twitter
Pinterest
LinkedIn

Deixar comentário

O seu email não será publicado.